Pingo Doce e LPN recolhem 2.608 toneladas de resíduos das praias

A recolha destes resíduos decorreu em ações de sensibilização e limpeza em praias e albufeiras que envolveram 1.350 voluntários no final da última época balnear.

O Pingo Doce e a Liga para a Protecção da Natureza (LPN) recolheram 2.608 toneladas de resíduos de 15 praias de Norte a Sul do País, no âmbito do programa “Amar o Mar”, durante ações de sensibilização e limpeza que envolveram 1.350 voluntários no final da última época balnear.

“Os voluntários, maioritariamente constituídos por crianças de agrupamentos escolares convidados, clientes Pingo Doce e colaboradores da LPN e do Pingo Doce – que aderiram ao apelo divulgado pelas duas entidades – percorreram praias de Norte a Sul do País, retirando do areal e da beira-mar beatas, palhinhas, cotonetes, sacos de plástico, embalagens, entre outros resíduos”, esclarece um comunicado da cadeia de distribuição do Grupo Jerónimo Martins.

De acordo com essa nota informativa, as acções de limpeza decorreram no final da época balnear, no final de setembro e em outubro, nos concelhos de Albufeira, Lagos, Santiago do Cacém, Sines, Sesimbra, Almada, Oeiras, Sintra, Caldas da Rainha, Alcobaça, Figueira da Foz, Espinho, Vila Nova de Gaia, Póvoa do Varzim e Óbidos, tendo, além das praias, ocorrido ações de limpeza nas Lagoas de Albufeira e de Óbidos.

“Estas iniciativas conjuntas com a LPN enquadram-se na agenda ambiental do Pingo Doce, que dá grande prioridade ao tema da gestão dos resíduos, em geral, e do plástico, em particular, especialmente o plástico de utilização única, que é o que mais frequentemente se encontra no mar”, avança o referido comunicado.

‘Amar o Mar’ é o nome do programa do Pingo Doce que agrega todas as iniciativas em prol da preservação dos oceanos que a cadeia leva a cabo.

“Deste programa fazem também parte o projecto de ‘ecodesign’ de embalagens – que já permitiu a redução de 19 mil toneladas de plástico, cartão e vidro – os sacos de plástico para o transporte de compras com pelo menos 80% de plástico reciclado pós-consumo e o sistema de reenchimento de garrafas reutilizáveis ‘Eco’, que já evitou mais de cinco toneladas de embalagens de plástico descartável”, garante o comunicado em causa.

Ler mais
Recomendadas

Passes, energia renovável e eficiência. Os truques de Medina para combater as alterações climáticas

“Olhando para os dados, os últimos anos foram os mais quentes de que há registo”, afirmando que esta é uma das realidades mais visíveis no nosso país, que tem enfrentado secas extremas, incêndios e cheias.

Sociedade Ponto Verde explica economia circular às empresas

Este evento vai explicar como implementar os conceitos ‘reduzir’, ‘reutilizar’, ‘recuperar’ e ‘reciclar’ na gestão diária das organizações,

Alterações climáticas: Lisboa ameaçada por cheias, seca, subida do nível do mar e calor excessivo

“A erosão continua, o calor excessivo aumenta, a seca meteorológica vai aumentar na zona de Setúbal e as cheias vão atacar o Tejo”, especialmente na região em que o Governo está a planear construir o aeroporto do Montijo, alerta especialista.
Comentários