Pinto Balsemão diz que Freitas do Amaral será lembrado pelo “importante contributo para a democracia”

O antigo líder da Aliança Democrática, Francisco Pinto Balsemão, lamentou esta quarta-feira a morte do fundador do CDS-PP Freitas do Amaral, recordando-o como um “jurista notável” e pelo “importante contributo para a democracia” em Portugal.

“Lamento a morte de Diogo Freitas do Amaral e apresento as minhas sentidas condolências à sua família”, afirmou Francisco Pinto Balsemão, que foi primeiro-ministro entre 1981 e 1983 [VIII Governo Constitucional], em comunicado enviado à agência Lusa, acrescentando que o antigo ministro “era um jurista notável e será recordado pelo seu importante contributo para a democracia portuguesa”.

O fundador do CDS e ex-ministro Freitas do Amaral morreu hoje, aos 78 anos. No comunicado, Pinto Balsemão recordou ainda o ex-ministro pelo seu “empenho na revisão constitucional de 1982″ e na lei de Defesa Nacional” e o facto de o fundador do CDS ter também ter sido vice-primeiro-ministro e ministro da Defesa no seu governo.

Diogo Pinto Freitas do Amaral, professor universitário, nasceu na Póvoa de Varzim em 21 de julho de 1941.

Foi líder do CDS, partido que ajudou a fundar em 19 de julho de 1974, vice-primeiro-ministro e ministro em vários governos. Freitas do Amaral fez parte de governos da Aliança Democrática (AD), entre 1979 e 1983, e mais tarde do PS, entre 2005 e 2006, após ter saído do CDS em 1992.

Líder do CDS, primeiro-ministro interino, ministro em governos à esquerda e à direita, presidente da Assembleia-Geral da ONU, Freitas do Amaral disse em entrevista à agência Lusa quando já se encontrava doente, em junho de 2019, que sofreu “um bocado” com a derrota nas presidenciais de 1986, embora tenha conseguido dar a volta, com “uma carreira de um tipo diferente” e partir para “uma série de pequenas vitórias”.

Relacionadas

Freitas do Amaral: José Sócrates destaca “personagem singular” da democracia portuguesa

O antigo primeiro-ministro José Sócrates considerou esta quinta-feira que Freitas do Amaral, que foi seu ministro dos Negócios Estrangeiro, destacou-se como uma “personagem singular” da democracia portuguesa, com vasta cultura política e jurídica e defensor dos direitos individuais.

Freitas do Amaral: Cristas recorda coragem de fundador, CDS cumpre um minuto de silêncio

A notícia da morte de Freitas do Amaral, fundador do CDS, foi hoje recebida durante um almoço de campanha para as legislativas em Barcelos, Braga, e a líder centrista pediu aos militantes que cumprissem um minuto de silêncio.

Marcelo relembra Freitas do Amaral como “um dos quatro pais fundadores” da democracia nacional

“O Presidente da República, que, além do mais, perdeu um grande amigo pessoal de meio século, apresenta à sua Família a expressão de grande saudade, mas, sobretudo, da gratidão nacional para o que foi o papel histórico de ter sido aquele dos Pais Fundadores a integrar a direita conservadora portuguesa na Democracia constitucionalizada em 1976”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.
Recomendadas

Costa garante que o Governo vai continuar “a avaliar o aumento de preços” dos combustíveis

Face à escalada de preços dos combustíveis, o primeiro-ministro frisou que o país não vai “financiar os combustíveis fósseis e não vamos beneficiar do aumento extraordinário”.

Governo prepara aprovação do “trabalho digno” e novo estatuto do SNS em Conselho de Ministros

Os bloquistas fizeram saber ao Governo que colocaram em cima da mesa nove propostas para viabilizar o próximo Orçamento. António Costa garante “total abertura” para negociar e garante que propostas serão aprovadas em Conselho de Ministros, esta quinta-feira.

“Não existem civilizações que sejam mais do que outras”, diz Marcelo na homenagem a Aristides de Sousa Mendes

O Chefe de Estado destacou que Aristides “serviu com coragem, extrema provação pessoal e familiar e exemplar humildade” na cerimónia de Concessão de Honras de Panteão Nacional a Aristides de Sousa Mendes.
Comentários