PJ conclui que Rui Rangel recebeu mais de 1 milhão de euros para favorecer arguidos, avança TVI

No despacho de acusação do Ministério Público, que deverá ter mais de 900 páginas, a TVI adianta que, no sentido de esconder o rasto do dinheiro, Rui Rangel terá utilizado um testa de ferro: o advogado e amigo de longa data, José Santos Martins.

O juiz desembargador Rui Rangel terá recebido mais de um milhão de euros entre 2005 e 2017 no sentido de favorecer arguidos e alterar decisões em tribunal, avança a “TVI” que este domingo antecipa aquele que deverá ser o despacho de acusação da Operação Lex.

No despacho de acusação do Ministério Público, que deverá ter mais de 900 páginas, a TVI adianta que, no sentido de esconder o rasto do dinheiro, Rui Rangel terá utilizado um testa de ferro: o advogado e amigo de longa data, José Santos Martins.

Detalha a TVI que este dinheiro terá passado pelo jurista, passou para Rui Rangel e terá beneficiado a mulher e juíza Fátima Galante (também arguida no processo), Rita Figueira (namorada de Rui Rangel) e o pai desta e ainda uma outra namorada do juiz, Bruna Amaral.

Fátima Galante e Rui Rangel são dois dos principais arguidos neste caso, que envolve, entre outros, o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, o vice-presidente do clube Fernando Tavares, e ainda João Rodrigues, advogado e ex-presidente da Federação Portuguesa de Futebol.

Recomendadas

Tribunal da Concorrência declara prescrição de coimas do BdP a ex-administrador do Montepio

Tribunal da Concorrência declarou a prescrição das contraordenações imputadas pelo supervisor ao ex-administrador do Montepio Rui Amaral, num processo que já teve sentença anulada pelo Tribunal da Relação e que tem novo início agendado para a semana.

Tribunal de Justiça da UE confirma que BCE pode manter documentos confidenciais sobre o BES

No acórdão, o Tribunal de Justiça nega provimento ao recurso da sociedade luxemburguesa Espírito Santo Financial Group (uma das entidades através da qual o GES assegurava o controlo do BES) que pedia a anulação da decisão do BCE de 31 de agosto de 2016, que recusou parcialmente o acesso a certos documentos relativos a decisões sobre o BES tomadas em reuniões do supervisor.

Google responde a acusação de monopólio: “Profundamente imperfeita”

Kent Walker, executivo da tecnológica, afirma que as empresas poderiam ter outros motores de busca, mas os utilizadores mostraram “repetidamente” uma preferência pelas ferramentas de pesquisa da Google.
Comentários