PJ detém homem suspeito de insolvência dolosa e falsificação de documentos

Uma fonte da Polícia Judiciária diz que o detido tem 60 anos, não exerce qualquer atividade profissional na atualidade e, “após ser decretada a falência em 2013, fez desaparecer parte do seu património, lesando os credores” e alterou o seu nome e identidade “para se eximir às suas responsabilidades penais e civis”.

A Polícia Judiciária (PJ) deteve um homem fortemente indicados pelos crimes de falsificação de documentos e insolvência dolosa, que mudou de nome para se eximir das responsabilidades por dívidas de seis milhões de euros.

O detido era “sócio gerente de uma sociedade, proprietária de vários estabelecimentos comerciais do ramo têxtil, calçado, eletrodomésticos e móveis, com lojas em Faro, Lisboa, Portimão e Olhão” e foi declarado insolvente “por apresentar dívidas que não conseguia liquidar no valor aproximado de seis milhões de euros, essencialmente a instituições bancárias, ao Estado, mas também a fornecedores e funcionários”, precisou a PJ num comunicado.

A mesma fonte frisou que o detido tem 60 anos, não exerce qualquer atividade profissional na atualidade e, “após ser decretada a falência em 2013, fez desaparecer parte do seu património, lesando os credores” e alterou o seu nome e identidade “para se eximir às suas responsabilidades penais e civis”.

Depois de ser ouvido em tribunal no primeiro interrogatório judicial, o detido ficou sujeito à “obrigatoriedade de entrega do passaporte e apresentação trissemanal ao órgão de polícia criminal da sua área de residência” como medidas de coação, referiu ainda a PJ.

Recomendadas

Clientes que não queiram prolongar moratórias têm de informar banco até este domingo

As moratórias que suspendem o pagamento das prestações dos empréstimos bancários (capital e/ou juros), foram alargadas pelo Governo até 31 de março de 2021. Os clientes que tenham aderido à moratória ficam automaticamente abrangidos, exceto quando comuniquem ao banco que não o pretendem, tendo para isso de o fazer até 20 de setembro.

Operação Lex: bastonário dos advogados defende intervenção do Conselho Superior da Magistratura

O bastonário considerou que “a situação é muito grave e pode haver muitos cidadãos lesados”, pelo que reiterou a necessidade de intervenção do Conselho Superior da Magistratura no sentido de “verificar todos os processos em que as irregularidades possam ter ocorrido”.

Túnel da Avenida João XXI em Lisboa continua fechado. Câmara aponta falha no sistema de controlo elétrico

“A avaliação mais detalhada do que aconteceu, e das medidas necessárias para a reposição das condições de operação e circulação em plena segurança, estão a decorrer”, garante a autarquia.
Comentários