PJ detém três inspetores do SEF suspeitos da morte de um ucraniano no aeroporto

A Polícia Judiciária deteve três presumíveis autores de crime de homicídio de um cidadão ucraniano de que terá sido vítima de agressões e asfixia dentro do Aeroporto de Lisboa. Os suspeitos têm 42, 43 e 47 anos.

A Polícia Judiciária (PJ) deteve três inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), durante a manhã desta segunda-feira, 30 de março, suspeitos de terem estado envolvidos na morte de um cidadão ucraniano de 40 anos que terá sido vítima de agressões e asfixia dentro do Aeroporto de Lisboa.

“A Polícia Judiciária, através da Diretoria de Lisboa e Vale do Tejo, com a colaboração do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, identificou e deteve três homens, de 42, 43 e 47 anos, por fortes indícios da prática de um crime de homicídio”, revelou a PJ em comunicado.

O caso remonta ao passado dia 12 de março, quando o SEF não permitiu a entrada em território nacional a um ucraniano oriundo da Turquia, que dizia estar em viagem de turismo.

“Os detidos integram os quadros daquele Serviço e a investigação apurou que serão os presumíveis responsáveis pela morte de um homem de nacionalidade ucraniana, de 40 anos, que tentara entrar, ilegalmente, por via aérea, em território nacional, no pretérito dia 10 de março”, avança a PJ.

De acordo com um comunicado oficial da PJ, “os factos foram cometidos nas instalações do Centro de Instalação Temporária, no aeroporto de Lisboa, no passado dia 12, após a vítima ter supostamente provocado alguns distúrbios no local”.

Os inspetores, que têm 42, 43 e 47 anos, foram detidos por fortes indícios da prática de um crime de homicídio e devem ser ouvidos durante a tarde por um juiz para conhecerem as medidas de coação.

Ler mais
Recomendadas

Caso BES: Ministério Público espera ainda usar provas da Suíça no julgamento

Segundo o Público, os procuradores esperam que as provas pedidas às autoridades suíças possam ser ainda adicionados até ao julgamento, uma vez que entre a acusação, que deverá estar pronta até 16 de julho, e o julgamento deverá decorrer um ano.

António Mexia e Manso Neto pedem afastamento do juiz Carlos Alexandre, dizem que decisões são “parciais”

O pedido suspende interrogatórios no caso Manuel Pinho / CMEC que estavam previstos para dias 2 e 3 de junho. A defesa liderada pelo advogado João Medeiros alega que até que o Tribunal da Relação de Lisboa decida sobre o requerimento de recusa apresentado, o juiz Carlos Alexandre só poderá praticar atos processuais considerados como urgentes pela lei.

“Alcochete nunca mais”: Sporting reage ao fim do processo de invasão da academia

O Sporting afirma que os acontecimentos do dia 15 de maio de 2018, marcaram “indelevelmente o Sporting CP e os Sportinguistas, trazendo consequências muito nefastas para todos”. Os leões sublinham ainda que o desporto deve ser um espaço “saudável e não de violência gratuita e criminalidade”.
Comentários