PremiumPlano de Resiliência do Governo não convence partidos

Consenso pedido por António Costa é incerto. Bruxelas quer que o Governo aponte mecanismos para evitar fraudes e corrupção nos fundos.

O pedido de “consensos” foi quase tão repetido por António Costa como o aviso de que o Plano de Recuperação e Resiliência não é só uma “oportunidade”, como uma “responsabilidade”, mas o repto que lançou esbarrou nas visões ideológicas e num debate que pouco debateu. Depois de ter recebido os partidos em São Bento, o primeiro-ministro levou o tema a discussão no Parlamento, que se centrou no curto prazo.

O esboço do documento prevê um investimento de 12,9 mil milhões de euros em resiliência e transição climática e digital, sendo a maior fatia (3,2 mil milhões de euros) destinada à saúde e habitação. Para o potencial produtivo estão destinados 2,5 mil milhões de euros e a terceira maior fatia será alocada à transição digital da Administração Pública.

PSD e CDS criticam o que dizem ser a falta de apoio às empresas, enquanto a Iniciativa Liberal e o PEV consideram que o plano é uma “oportunidade perdida”, enquanto o Chega diz que beneficia “os mesmos de sempre”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

‘Falcões’ vs ‘pombas’ no BCE. Lagarde vai dar sinal forte, mas tensões devem adiar estímulos

O banco central da zona euro está novamente dividido entre os que querem mais estimulos já e os que preferem aguardar. Christine Lagarde tem espaço de manobra e deverá aguardar até dezembro, quando tiver novas projeções e melhor visão sobre riscos politicos. A mensagem de hoje deverá ser, portanto, de promessa de agir face ao aumento de riscos.

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quinta-feira

O tema em destaque nesta quinta-feira é a reunião com os governadores do Banco Central Europeu. Na Assembleia da República o dia ficará marcado pelas audições ao Tribunal de Contas e ao ministro da Ciência sobre o Orçamento do Estado para 2021. O INE vai publicar estatísticas relativamente às empresas, ao turismo e desemprego.

Corrida à liderança da OCDE gera tensões entre EUA e Europa

A nomeação para o cargo poderá, segundo alguns analistas e políticos próximos da organização, definir o futuro da globalização. As diferentes preferências europeias e americanas podem levar a mais um foco de tensão entre os dois blocos, sendo que, caso Joe Biden vença, levanta-se a questão sobre a sua escolha para o cargo, que deverá diferir da expressa pelo presidente Trump.
Comentários