Plataforma de rede social ajuda a ensinar música

JAMP Project pretende promover a motivação na aprendizagem através do recurso à inteligência artificial.

A escola de música Lusomusic, em Lisboa, desenvolveu uma ferramenta de ensino musical que funciona como uma rede social. O JAMP Project é uma plataforma que recorre a um algoritmo de inteligência artificial.

As dificuldades que surgem devido à solidão durante a aprendizagem de um instrumento musical foi um dos motores que levaram à criação deste projeto. A plataforma permite que o aluno aprenda de modo lúdico, em formato de jogo, e possa mostrar aos amigos o desenvolvimento das suas competências. Ao mesmo tempo, o professor tem conhecimento do tempo de aprendizagem dos alunos, das suas dificuldades e da progressão das suas competências.

“O JAMP Project mantém a motivação da aprendizagem a um nível elevado, acelerando a curva de aprendizagem, o que o torna mais eficaz do que o modelo tradicional do ensino da música. Estes resultados foram obtidos em testes realizados pela equipa que desenvolveu o projeto, da qual fazem parte músicos, cientistas e engenheiros altamente qualificados”, explica a Lusimusic em comunicado.
Numa primeira fase, o modelo aplica-se ao ensino de piano, mas está pensado para outros instrumentos musicais. Permite praticar a leitura correta de uma pauta, a técnica e o ritmo de execução de uma peça musical, bem como testar o conhecimento de reportório do aluno.

Recomendadas

Startup portuguesa Sword Health fecha financiamento de 7 milhões de euros

A ronda de investimento de série A foi liderada pela Khosla Ventures e apoiada por outros ‘business angels’ , contando ainda com a participação dos atuais investidores.

Startups da ourivesaria têm a vida facilitada com nova “oficina co-work”

A Associação Nacional de Jovens Empresários e a Câmara de Gondomar uniram-se para facilitar o acesso dos ourives empreendedores a instrumentos para começarem o negócio. “Há vários jovens e ideias frescas prontos para por mãos à obra, precisam apenas de um apoio inicial. O investimento para entrar no setor é muito elevado, a aquisição das ferramentas mais básicas rondará os 50 mil euros”, diz ao Jornal Económico Francisco Mendes, diretor da ANJE.

Nabeiro convida startups a desenvolverem pilotos para as empresas do grupo

Desenvolvido pelo centro de inovação interno, em parceria com a consultora iMatch, o programa desafia pequenas empresas a apresentar soluções de produto, sustentabilidade e interação com o consumidor. “O grupo irá, mediante análise de cada uma, assegurar o financiamento necessário para o desenvolvimento e implementação dos respetivos pilotos”, refere Rui Miguel Nabeiro ao Jornal Económico.
Comentários