PremiumPLMJ cria equipa especializada em ‘legal finance’

Solução é comum em países anglo-saxónicos e permite obter financiamento para pagar processos judiciais, em troca de percentagem dos ganhos.

Há uma nova task force na PLMJ só para acompanhar serviços de legal finance, um instrumento ou técnica de gestão que permite às empresas acederem a novos mecanismos de financiamento, incentivando a que não desistam de exercer os seus direitos em caso de litígio (recorrer a tribunal) sem pôr em causa a tesouraria. A sociedade de advogados pretende apostar nesta área pois acredita que é uma “inevitabilidade” num contexto pós-pandemia e criou uma equipa multidisciplinar especializada para apoiar os clientes neste tipo de operações.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Presidente do CRLisboa defende associação de advogados para responder ao desafio da digitalização

João Massano participou na conferência “Sociedades de Advogados: Inovação e Talento”, promovida pelo JE, com o apoio da sociedade de advogados Morais Leitão, e contou com a presença de Tiago Geraldo, advogado sénior da sociedade de advogados Morais Leitão; e de Paulo Cardoso do Amaral, professor da Universidade Católica Portuguesa.

Introdução de novas tecnologias na advocacia obrigará a alterações na legislação

Conferência “Sociedades de Advogados: Inovação e Talento” foi promovida pelo JE, com o apoio da sociedade de advogados Morais Leitão, e contou com a presença de Paulo Cardoso do Amaral, professor da Universidade Católica Portuguesa; de Tiago Geraldo, advogado sénior da sociedade de advogados Morais Leitão; e de João Massano, presidente do Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados.

Inovação na advocacia não pode limitar-se à tecnologia, afirma Tiago Geraldo

Conferência “Sociedades de Advogados: Inovação e Talento” foi promovida pelo JE, com o apoio da sociedade de advogados Morais Leitão, e contou com a presença de Tiago Geraldo, João Massano, presidente do Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados; e Paulo Cardoso do Amaral, professor da Universidade Católica Portuguesa.
Comentários