PremiumPNI 2030 aguarda voto dos deputados

O novo plano de investimentos que o Governo levou ontem a Conselho de Ministros e quer aplicar entre 2021 e 2030 já está no Parlamento.

Foi ontem, dia 10 de janeiro, a Conselho de Ministros mas não foi aprovado. Seguiu para a Assembleia da República com a indicação de que é um ‘documento intercalar de trabalho’, ‘draft e confidencial, somente para efeitos de discussão’ e com o carimbo “não exaustivo/meramente ilustrativo”. É com todos estes cuidados que o Governo, em particular o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, está a lidar com o PNI – Plano Nacional de Investimentos 2030, numa semana bastante preenchida por anúncios de investimento em transportes, infraestruturas e mobilidade, desde o lançamento dos concursos para a aquisição de comboios para a CP, de expansão de rede do Metropolitano do Lisboa (do Rato para o Cais do Sodré) ou da assinatura do memorando de entendimento entre o Estado português e a ANA, detida pelos franceses da Vinci, para a construção do aeroporto complementar do Montijo e ampliação ao aeroporto da Portela (ver texto ao lado).

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Sociedades-veículo do ex-BPN reduzem prejuízos em 58% em 2017 para 109 milhões

Os relatórios e contas da Parvalorem, Parups e Parparticipadas, aprovados pelo acionista em 27 de fevereiro, mostram uma recuperação nas contas das sociedades, que, em 2016, tinham apresentado resultados negativos agregados de 264,3 milhões de euros.

Lisboa é a vencedora da Semana Europeia da Mobilidade 2018

O prémio chega a Lisboa pelas mãos do vereador da Mobilidade, Miguel Gaspar. Lisboa estava na corrida ao prémio desde o dia 26 de fevereiro deste ano.

PSD quer auditoria ao período pós-resolução do BES

Segundo o deputado do PSD, António Leitão Amaro, o que é preciso auditar, “e que ainda não foi auditado” consiste no que aconteceu depois da resolução do BES, “como a venda do Novo Banco à Lone Star e o que aconteceu depois disso”, nomeadamente, “as imparidades”.
Comentários