Pode o futebol português confinar novamente? Veja o “Jogo Económico”

Nesta edição do Jogo Económico contamos com a presença de Gustavo Tato Borges, vice-presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública que, entre outras questões, vai esclarecer que riscos corremos, em termos de saúde pública, com a manutenção das Ligas profissionais de futebol.

Aí está o confinamento geral. Portugal vive a pior fase de pandemia e os especialistas acreditam que o país pode atingir as 14 mil infeções diárias nas próximas duas semanas, mesmo com as medidas de restrição. Resta saber o que vai acontecer ao futebol profissional e se o protocolo vai resistir a esta fortíssima onda pandémica.

Nesta edição do Jogo Económico contamos com a presença de Gustavo Tato Borges, vice-presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública que, entre outras questões, vai esclarecer que riscos corremos, em termos de saúde pública, com a manutenção das Ligas profissionais de futebol.

Também neste programa vamos analisar o relatório da KPMG “The European Champions Report 2021”, que indica que a pandemia de Covid-19 travou a senda de crescimento da indústria do futebol. De 2009 para 2018, a faturação global passou de 11,7 mil milhões para 21 mil milhões, com um crescimento anual de 6,7%. Para a temporada 2019/2020 espera-se uma redução de receitas de 5 mil milhões de euros devido à suspensão e adiamento de jogos e a sua realização à porta fechada;

O programa ‘Jogo Económico’ é um espaço de debate sobre a economia do desporto da autoria e com a moderação de José Carlos Lourinho, editor do “Jornal Económico” e que conta com um painel de residente constituído por Shrikesh Laxmidas, diretor-adjunto do JE, Leonardo Ralha, sub-diretor do JE, o jornalista João Marcelino e o economista e ex-futebolista Diogo Luís.

 

Recomendadas

SAD do Benfica com lucro de 8,2 milhões no primeiro semestre da temporada

O resultado operacional, que inclui transferências de jogadores, é de 12,8 milhões de euros positivo, para os quais contribuiu a transferência de Ruben Dias para o Manchester City, por 68 milhões de euros.

“Não há espaço para questões emocionais” na negociação dos direitos televisivos, avisa especialista em marketing desportivo

Daniel Sá defende que em Portugal deve existir um conjunto de critérios objetivos para uma distribuição justa dos valores envolvidos na negociação. “Podemos ir beber várias das experiências que já existem e encontrar o modelo certo para nós”, refere.

Fórmula 1 fecha 2020 com perdas de 444 milhões e queda de 43% nas receitas

As receitas da Fórmula 1 caíram 43% no ano fiscal encerrado a 31 de dezembro de 2020, em comparação com o de 2019. Há um ano, a empresa recebeu dois mil milhões de dólares (1,6 mil milhões de euros).
Comentários