Poderá uma empresa obrigar os seus trabalhadores a ser testados à COVID-19?

É passível de ser enquadrado no n.º 1 do art.º 19.º do Código do Trabalho, e como tal pode ser legitimamente exigido aos colaboradores a realização de testes ou a apresentação de um teste negativo.

A pergunta que serve de tema a este artigo é muito interessante e foi-nos suscitada em termos práticos e que tem uma especial incidência na Madeira, porquanto a Região Autónoma da Madeira, diga-se de forma pioneira, foi a primeira região do país a introduzir uma campanha de testagem massiva à população madeirense.

Com efeito, a partir de abril de 2021, todos os madeirenses com idade igual ou superior a 16 anos, podem fazer um teste rápido de antigénio à COVID-19 a cada duas semanas, de forma totalmente gratuita. Esta campanha fez também com que muitas empresas privadas dessem também o seu contributo e celebrassem protocolos com farmácias aderentes, no sentido de disponibilizar a realização destes testes rápidos à COVID-19 para todos os seus colaboradores e nas instalações da empresa em espaços próprios para o efeito, tendo em vista facilitar o controlo e identificação rápida de potenciais infeções de COVID-19.

Mas a questão que rapidamente se colocou, prevendo-se a resistência de alguns trabalhadores serem testado a cada duas semanas foi: “Poderá uma empresa obrigar os trabalhadores a serem testados a cada 15 dias nos termos da legislação laboral em vigor?”

Sobre esta matéria, a ampla legislação que foi produzida recentemente sobre a temática da COVID-19 é relativamente omissa sobre esta matéria, mas por outro lado, o art.º 19.º do Código do Trabalho, sobre a temática dos testes e exames médicos, é muito claro ao referir que um empregador não pode, para efeitos de admissão ou permanência no emprego, exigir a candidato a emprego ou a trabalhador a realização ou apresentação de testes ou exames médicos, de qualquer natureza, para comprovação das condições físicas ou psíquicas.

Não obstante, esta regra geral tem importantíssimas exceções e que, fazendo uma interpretação a contrário do art.º 19.º n.º 1 do Código do Trabalho, é possível chegar à conclusão que é possível exigir ao trabalhador a realização ou apresentação de testes ou exames médicos para a admissão ou permanência no posto de trabalho em dois cenários específicos: 1) quando existam particulares exigências inerentes à atividade da empresa que o justifiquem (a realização deste tipo de testes médicos é muito comum em profissões específicas como piloto de aviões comerciais, desportistas profissionais ou médicos e profissionais que trabalhem em lares de terceira idade); ou 2) quando esteja em risco a proteção e segurança do trabalhador ou de terceiros, devendo em qualquer caso ser fornecida por escrito ao candidato a emprego ou trabalhador a respetiva fundamentação, explicitando as razões pelas quais a realização dos testes são pedidos e porque são necessários.

Para além das exigências relacionadas com atividades particulares, parece-nos que, no atual contexto da pandemia do COVID-19, em que a generalidade dos países se encontra a procurar controlar a propagação de um vírus que pode por em causa a integridade física (e causar até mesmo a morte) na generalidade da população, exigir aos colaboradores a realização de testes periódicos à COVID-19, é passível de ser enquadrado no n.º 1 do art.º 19.º do Código do Trabalho, e como tal pode ser legitimamente exigido aos colaboradores a realização de testes ou a apresentação de um teste negativo, uma vez que se tratam de medidas que, no mínimo, pode entender-se que se destinam a assegurar a proteção do próprio trabalhador ou de terceiros, nomeadamente colegas de trabalho, clientes ou fornecedores.

Nestas circunstâncias, a recusa de realização do teste à COVID-19 ou a apresentação de um teste negativo, pode justificar que a entidade empregadora impeça o trabalhador de ocupar/permanecer no seu posto de trabalho, pode consubstanciar-se numa violação do dever de obediência, o que pode levar à promoção de um processo disciplinar e, no limite, resultar no despedimento por justa causa do trabalhador.

Recomendadas

Madeira admite possibilidade de recuar na decisão dos testes rápidos a partir de julho para quem chega à Região

O governante realçou que o avançar ou não da medida está dependente não só da evolução da situação epidemiológica da Região, mas também da situação que se verificar em Portugal Continental, nomeadamente na Área Metropolitana de Lisboa.

Madeira ainda não registou casos de infeção pela variante Delta

Pedro Ramos falava no âmbito da assinatura de um contrato-programa com a Mesa da Saúde Privada da Associação Comercial e Industrial do Funchal (ACIF), no Funchal, que estabelece 16 novos postos para a realização de testes rápidos antigénio (TRAg) para a Covid-19.

Câmara do Funchal atribui 12.500 euros à Associação Regional de Canoagem da Madeira

O apoio visa auxiliar a organização do Campeonato Nacional Canoagem Mar/Madeira Ocean Challenge, e decorre no âmbito do programa  da Autarquia de apoio ao associativismo e atividades de interesse municipal.
Comentários