Polícia desmantela maior fornecedor de televisão pirata da Europa

Operação foi liderada pela Eurojust em conjunto com polícias da Bulgária, da Alemanha, da Grécia, da França e da Holanda. Os dois cidadãos gregos disponibilizavam um serviço online que permitia personalizar os pacotes televisivos pirata.

Kacper Pempel / Reuters

A Eurojust em conjunto com polícias da Bulgária, da Alemanha, da Grécia, da França e da Holanda colocou o ponto final no maior serviço de fornecimento de sinal de televisão pirata para toda a Europa, designado por Xtream Codes, revela esta quinta-feira o “Jornal de Notícias“.

O desmantelamento desta rede implicou que 200 servidores de internet, espalhados por países como a França, Alemanha e Holanda, fossem encerrados. No total, cinco mil clientes da Xtream Codes distribuíam o sinal para 50 milhões de pessoas.

Este serviço foi criado por dois cidadãos gregos que disponibilizavam o serviço online que permitia personalizar os pacotes televisivos pirata. O preço das assinaturas variava entre os 12 e os 59 euros. Nesta operação estiveram envolvidos mais de 100 agentes de autoridade em buscas ao domicílio e a empresas distribuídas por Nápoles e Roma.

De resto, em Itália este serviço era utilizado por cinco milhões de clientes que proporcionavam uma receita anual de 60 milhões de euros para a Xtream Codes.  Os clientes podem agora ter de pagar uma coima que vai dos 2.500 aos 25 mil euros, ou enfrentar penas de seis meses a três anos de prisão.

Recomendadas
Steve King com Donald Trump

Republicanos livram-se do rosto da supremacia branca em Washington

Congressista Steve King foi derrotado nas primárias republicanas no círculo do estado do Iowa que representa desde 2002. Perda de influência na Câmara dos Representantes após afirmações polémicas dita afastamento do político que ainda se tentou agarrar a um elogio de Donald Trump.

Iémen: o lado esquecido do mundo

ONU pedia 2,4 mil milhões de dólares à conferência de doadores, mas os países envolvidos não conseguiram ir além dos 1,35 mil milhões. A guerra civil e a Covid-19 deixaram 28 milhões de pessoas desesperadas. Entretanto Riade e Teerão prometem não deixar a guerra.

Rede social Snapchat vai deixar de promover mensagens de Donald Trump

A empresa da rede social Snapchat, popular entre os jovens, acusou o Presidente dos EUA de incitar à “violência racial”, anunciando que deixará de promover as mensagens da conta de Donald Trump.
Comentários