“Política monetária na área do euro continuará a exigir paciência, prudência e persistência”, reforça Draghi

No relatório de 2018, o Presidente do Banco Central Europeu sublinha que o “estímulo substancial em termos de política monetária permanece essencial”.

O Banco Central Europeu (BCE) considera essencial continuar a estimular a política monetária este ano, para fazer face à incerteza internacional, diz Mario Draghi no Relatório Anual de 2018 da instituição, divulgado esta segunda-feira.

“Relativamente ao próximo ano, um estímulo substancial em termos de política monetária permanece essencial para garantir a continuação da intensificação das pressões internas sobre os preços no médio prazo”, refere o presidente do BCE.

Mario Draghi explica que dada a persistência das incertezas relacionadas com fatores geopolíticos, a ameaça do protecionismo e as vulnerabilidades nos mercados emergentes, “a condução da política monetária na área do euro continuará a exigir paciência, prudência e persistência”.

No relatório, Frankfurt relembra que em dezembro, o Conselho do BCE terminou as compras líquidas de ativos ao abrigo do APP e confirmou as indicações reforçadas sobre a trajetória futura das taxas de juro diretoras.

“Paralelamente, confirmou a necessidade de continuação do estímulo significativo em termos de política monetária, com vista a apoiar a intensificação das pressões internas sobre os preços e a evolução da inflação global no médio prazo”, acrescenta.

O presidente do BCE recorda que Frankfurt indicou que os reinvestimentos continuariam além da data em que as taxas de juro diretoras começarem a subir e enquanto for necessário, mostrando-se disponível para ajustar todos os instrumentos.

“A assunção de riscos em partes dos mercados financeiros e imobiliários contribuiu para sinais ligeiros de valorização excessiva em algumas zonas, com diferenças acentuadas entre países, tendo os riscos continuado a aumentar no setor financeiro não bancário”, refere.

Draghi realça ainda que a economia da zona euro continuou a expandir-se, mas sofreu uma perda de dinamismo, com o crescimento a desacelerar de 2,5% em 2017 para 1,8% em 2018.

“Um enfraquecimento significativo do comércio mundial, a par de diversos fatores específicos a nível dos países e dos setores, pesaram sobre o setor externo e, em particular, sobre a indústria transformadora”, explica.

Ler mais
Relacionadas

PremiumCautela do BCE dá bónus a Centeno em ano de eleições

Um mal que vem por bem? O BCE mais cauteloso mantém taxas ultra-baixas e acaba por ajudar o financiamento da economia portuguesa. Liquidez para a banca pode impulsionar concessão de crédito.

BCE corta projeções. PIB da zona euro deve crescer 1,1% este ano e 1,6% em 2020

O banco central espera agora que a economia da moeda única cresça 1,1% este ano (face aos 1,7% que esperava em dezembro) e 1,6% em 2020, o que também compara com a anterior previsão de 1,7%, afirmou o presidente do BCE, em conferência de imprensa após a reunião de política monetária do Conselho de Governadores.

Taxas de juro do BCE continuam em mínimos históricos. Mario Draghi anuncia nova série de empréstimos de longo prazo à banca

O Banco Central Europeu manteve a taxa de juro diretora da zona euro em 0%. Mario Draghi anunciou que vai lançar em setembro uma nova vaga de empréstimos de longo prazo à banca, para fomentar o crescimento económico dos países do euro.
Recomendadas

Depois das praças europeias, Brexit penaliza Wall Street

O Goldman Sachs aumentou a sua estimativa quanto à probabilidade de o Brexit vir mesmo a acontecer, atribuindo agora 65% de hipóteses para que o divórcio entre a União Europeia e o Reino Unido ocorra no dia 31 de outubro.

Brexit assusta bolsas europeias e PSI 20 perde 0,73%

Voto no Parlamento britânico sobre o acordo do Brexit negociado esta semana com a União Europeia causou algum desconforto para os investidores. No PSI 20, a Mota Engil e o BCP lideraram as perdas numa sessão em que 13 cotadas encerram em queda.

Wall Street abre a negociar flat

A penalizar Wall Street está nomeadamente o anúncio da Johnson & Johnson, após a empresa norte-americana anunciar que terá de retirar do mercado um lote de produto. Por outro lado, resultados da Coca-Cola, Intuitive Surgical e American Express2 animam as praças norte-americanas.
Comentários