Porsche quer SIVA a crescer para 30 mil carros vendidos por ano “a médio prazo”

“Estamos muito orgulhosos por conseguirmos concluir esta operação”, que ficou fechada a 15 de outubro, revelou em conferência de imprensa Hans Peter Schützinger, CEO da Porsche Holding Salzburg.

A Porsche Holding Salzburg (PHS) quer que a SIVA cresça para os 30 mil carros vendidos anualmente “a médio prazo”, divulgou hoje o diretor Hans Peter Schützinger, revelando ainda que a compra do grupo português foi finalizada na terça-feira.

Numa conferência de imprensa de apresentação da equipa da PHS, nova dona da importadora do grupo Volkswagen em Portugal, a SIVA, o diretor da empresa austríaca garantiu ainda que vai manter os 650 trabalhadores em Portugal.

“Depois de uma longa negociação de quase dois anos, que levou a uma grande incerteza, é com grande orgulho que afirmamos que fechámos esta aquisição. Os últimos meses foram um desafio. Encaramos esta tarefa como otimismo”, afirmou o diretor da PHS, acrescentando que o “objetivo de médio prazo” é atingir a venda de 30 mil carros por ano.

Pedro de Almeida, da SIVA, reiterou a ideia de Hans Peter Schützinger, referindo que os 30 mil carros por ano que a SIVA pretende vender anualmente são “o volume natural que as marcas merecem”.

Recomendadas

Conheça as mulheres que estão a dar cartas no negócio dos vinhos em Portugal

JE conta a história de Leonor Freitas, da Casa Ermelinda Freitas, Olga Martins, da Lavradores de Feitoria, Rita Nabeiro, da Adega Mayor, Filipa Pato, da Pato e Wouters, e Luísa Amorim, da Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo e Quinta da Taboadella.

Travão de apoio ao Novo Banco é um “número de circo, mas não viola a Constituição”, diz fiscalista

A anulação da transferência de 476 milhões de euros para o Novo Banco, aprovada no Orçamento do Estado, não é inconstitucional, mas “gerará responsabilidade civil”, disse o antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Rogério Fernandes Ferreira, à Lusa.

Oscar Herencia: “A evolução dos seguros tem de ir para um conceito de personalização”

O futuro passa pelos “seguros à medida” em que o cliente seleciona um produto ‘umbrella’, que pode ser um seguro de vida, e depois tem um extenso leque de objetivos para criar um produto personalizado, avança o diretor geral da MetLife para a Ibéria.
Comentários