Portal da Queixa: estas são as marcas ‘campeãs’ das reclamações em Portugal

No primeiro trimestre de 2018, e face ao período homólogo, o Portal da Queixa registou um aumento na ordem dos 51% do número de reclamações relacionadas com o comércio electrónico que ultrapassam já as 2.450 queixas.

O Portal da Queixa, a maior rede social de consumidores do país, revela que nos três primeiros meses deste ano registou um aumento na ordem dos 51% do número de reclamações relacionadas com o comércio electrónico, num total de 2.452 queixas. Um aumento ”significativo” que o Portal da Queixa relaciona com o aumento na utilização da internet pelos portugueses para realização das suas compras. Nos vários setores, as reclamações somam 15.506. Qualquer coisa como 172 queixas por dia.

“Hoje em dia, a internet é uma das ferramentas mais utilizadas pelos portugueses, consequentemente, as experiências de consumo online aumentaram e, inevitavelmente, as reclamações também. No primeiro trimestre de 2018, registámos um aumento de 51% do número de reclamações relativas às compras online”, destaca Pedro Lourenço, CEO do Portal da Queixa.

O aumento das reclamações recebidas durante o período referido abrange diferentes setores de atividade, nomeadamente, Comércio Eletrónico, Correio Postal e Expresso, Comércio a Retalho, Serviços do Estado, Água, Eletricidade e Gás. As restantes reclamações subdividem-se pelas categorias de formação e educação, cultura e lazer, animais e serviços empresariais diversos.

Em termos globais, o número de reclamações recebidas pelo Portal da Queixa ascendeu a 15.506, um aumento de 43% face às 10.830 queixas registadas no primeiro trimestre do ano passado.

De acordo com o fundador da maior rede social de consumidores, “existem inúmeros motivos para os portugueses reclamarem, mas na sua maioria estão relacionados com os atrasos nas entregas de encomendas, mau serviço prestado, como burlas ou esquemas fraudulentos online, entre outros.”

O número mais significativo de reclamações registou-se também  ao nível das operadoras de tv, net e telefone: 2.610 queixas, seguindo-se as verificadas no correio posta e expresso (2.119), no comércio a retalho (2.079), nos serviços do Estado (1.848) e na categoria de água, luz e gás (1.247)

Já nos transportes públicos de passageiros, foram encaminhadas para o Portal da Queixa 977 queixas, mais 59% face a igual período do ano passado. E na banca e produtos financeiros as reclamações somaram 631, mais 89% face ao primeiro trimestre de 2016.

MEO é a marca com mais reclamações

Nas marcas e entidades com mais reclamações, o Portal da Queixa destaca, por sua vez, a MEO com 1.404 reclamações nos três primeiros meses deste ano, seguindo-se os CTT (1.350), a NOS (629), a segurança social (573), a Vodafone (374), a Worten (343) e a EDP Comercial (3159 no top 7 das marcas e entidades com mais queixas.

Segurança social lidera queixas

Ao nível de entidades públicas mais reclamadas entre janeiro e março deste ano, a lista de queixas é liderada pela segurança social com 573. Outras entidades foram ainda alvo de reclamações como o Centro Nacional de Pensões (179), o SNS (173), a ADSE (121) e o  Instituto da Mobilidade e dos Transportes (113).

Com menos de uma centena de queixas surgem depois a Autoridade Tributária (92), o Ministério da Educação e Ciência ( e o Instituto de Registos e Notariado, igualmente com 68 queixas, seguindo-se outras entidades públicas como o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) com 57 reclamações e a Câmara Municipal de Lisboa com 55 reclamações.

 

Ler mais

Recomendadas

Portugal regista mais 691 casos e três mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas

As autoridades sanitárias contabilizaram mais 386 altas nas últimas 24 horas, elevando para 46.676 o número total de pessoas livres do vírus.

Estado de Contingência alargado até 14 de outubro

O Estado de Contingência atual terminaria no final de setembro, indo agora durar mais 15 dias.

Governo prolonga prazos de moratórias até 30 de setembro de 2021

“Setores ligados a alojamento, transportes turísticos estão a ser muito afetados, impacto está a ser muito mais drástico e por isso quisemos beneficiar as empresas destes setores”, esclareceu o ministro da Economia.
Comentários