Portela é o aeroporto que mais cresce na Europa

Aeroporto da capital ficou em 14º lugar a nível mundial na taxa de crescimento (176%) da conectividade de passageiros nos últimos dez anos.

Rafael Marchante/Reuters

O aeroporto de Lisboa, agora designado Aeroporto Humberto Delgado, foi dos hubs que mais cresceu em todo o Mundo nos últimos dez anos, de acordo com um estudo sobre a conectividade dos aeroportos internacionais a nível global elaborado pelo ACI – Airport Council International Europe, a que o Jornal Económico teve acesso. Segundo esse relatório, o aeroporto de Lisboa ficou em 14º lugar no ranking dos 20 hubs aeroportuários de todo o Mundo que mais cresceram no número de passageiros em trânsito (em transfer) nos últimos dez anos, sendo essa a bitola que serve para medir o grau de conectividade de cada uma das infraestruturas aeroportuárias em análise.

O estudo do ACI Europe demonstra que o aeroporto de Lisboa atingiu no ano passado um total de 5,8 milhões de passageiros em trânsito, o que proporcionou ao aeroporto da capital figurar entre os que mais cresceram neste capítulo desde 2007, com uma taxa de crescimento de 176%. Este registo do aeroporto da capital permitiu posicioná-lo em primeiro lugar na Europa Ocidental ao nível da taxa de crescimento da conectividade, à frente do aeroporto de Bruxelas, que beneficia do facto de a cidade funcionar como a capital da União Europeia. Neste ranking das maiores taxas de crescimento do grau de conectividade dos aeroportos de todo o Mundo nos últimos dez anos, há ainda mais dois aeroportos na Europa a leste, Istambul e Moscovo.

Aliás, este ranking elaborado pelo ACIEurope evidencia a dinâmica de crescente conectividade conseguida pelos aeroportos asiáticos e do Golfo Pérsico. “[O aeroporto de] Abu Dhabi registou o crescimento mais rápido desde 2007 (+ 1.479%), seguido pelo de Deli (+ 904%) e pelo de Guangzhou (+ 897%). Nenhum destes aeroportos figura no top 20 dos maiores hubs aeroportuários mundiais (Abu Dhabi: nº 39º; Deli: nº 54º; e Guangzhou: nº 52º), mas a sua ascensão é emblemática da mudança que está a acontecer na aviação global em direção à Ásia e ao Golfo”, destaca o relatório do ACI Europe. Por maioria de razão, o aeroporto da Portela também não figura no top 20 dos 20 maiores hubs aeroportuários de todo o Mundo, mas o estudo do ACI Europe não refere qual a atual posição de Lisboa nesse capítulo.

“Enquanto o top 20 dos maiores ‘hubs aeroportuários globais apenas inclui aeroportos europeus e americanos, os hubs asiáticos e do Golfo são predominantes nos hubs aeroportuários que mais cresceram em conectividade desde 2007”, destaca o referido estudo do ACI Europe.

Neste ranking, incluem-se três hubs aeroportuários do Golfo Pérsico: o já referido aeroporto internacional de Abu Dhabi, juntamente com o de Doha, Qatar (+ 806%) e o do Dubai (+ 306%). Mas a grande predominância vem dos hubs aeroportuários asiáticos, com 12 presenças neste ranking das mais elevadas taxas de crescimento da conectividade aeroportuária nos últimos dez anos. Da dúzia de presenças asiáticas, metade delas, seis, são originárias da China: Guangzhou, Xangai-Pudong (+ 302%), Kunming (+ 285%), Shenzhen (+ 173%), Chengdu (+ 151%) e Hong Kong (+ 149%). Mesmo assim, a taxa de crescimento da conectividade do aeroporto de Lisboa superou a de alguns concorrentes asiáticos, como Shenzhen, Incheon (Coreia do Sul), Chengdu, Manila (Filipinas), ou Hong Kong.

Este ranking elaborado pelo ACI Europe inclui ainda um aeroporto africano, o de Adis Abeba, na capital etiope.
“Desta forma, aqueles aeroportos europeus e norte-americanos que dominam o ranking dos 20 maiores hubs aeroportuários de todo Mundo, viram a sua conectividade de hub crescer a um ritmo muito mais lento ou até a apresentar um crescimento nulo ao longo deste período”, salienta o relatório do ACI Europe.

O ritmo de crescimento de passageiros no aeroporto da Portela tem-se intensificado nos últimos anos, verificando-se de uma forma geral e não apenas no domínio da conectividade. No ano passado, o aeroporto Humberto Delgado registou um total de 22,44 milhões de passageiros, um crescimento 11,7%, o equivalente a mais 2,35 milhões de passageiros que no ano anterior. A tendência acentuou-se no primeiro semestre deste ano, período em que a Portela recebeu 12,1 milhões de passageiros, mais 22,3% que no período homólogo de 2016.

Uma situação que está a pressionar o Governo para acelerar a decisão de arranque das obras no futuro aeroporto do Montjo, havendo já diversos especialistas do setor que consideram que o ritmo de crescimento dos passageiros no aeroporto da capital deveria exigir uma solução mais consolidada, com a construção de um aeroporto de raiz ou conseguir uma segunda alternativa à Portela, além do Montijo.

Artigo publicado na edição digital do Jornal Económico. Assine aqui para ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão.

Relacionadas

Aeroportos (‘hub’): Lisboa lidera conectividade na europa ocidental

O aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, foi o que mais cresceu em termos de conectividade (’hub’) na Europa Ocidental nos últimos dez anos, com uma taxa de crescimento de 176% dos passageiros que escalam o aeroporto da capital em demanda de outros destinos.
Recomendadas

Lucro da General Motors ascende a 2,365 mil milhões de euros no segundo trimestre

A fabricante automóvel norte-americana está a recuperar apesar dos efeitos da pandemia e da escassez de semicondutores. Os números são positivos, mas CEO da General Motors, Mary Barra, continua a contar com o impactos negativos ao longo do ano, sobretudo no fornecimento de ‘chips’.

Franceses da Saint-Gobain investem 600 mil euros em novo armazém no Carregado

Empresa de materiais de construção concluiu o investimento no Centro Produtivo do Carregado, em Alenquer, para ter a possibilidade de expedir soluções de três marcas.

Associações deixam comissão sobre estratégia dos cereais e culpam Governo

Em causa está a “evidente falta de compromisso” do Ministério da Agricultura em aplicar esta estratégia, sobretudo, após ter remetido às confederações um documento relativo às decisões sobre os pagamentos diretos 2022 da Política Agrícola Comum (PAC).
Comentários