Porto Santo, a Ilha

Ser porto-santense é uma lição de resistência, cumprida nos meses mais duros, quando o barco que faz a ligação ao Funchal está em reparação e nem sempre os aviões conseguem aterrar na ilha vizinha.

(De férias no Porto Santo, assisti ao jogo entre o Sporting e o Benfica, dividida entre o horror e o sentimento de vergonha alheia. É certo que o sol e a praia têm sempre o condão de nos fazer sorrir com maior facilidade mas o que ali se passou é motivo de preocupação. É certo que os sportinguistas têm uma enorme capacidade de sofrimento, mas a derrota não deixa de impressionar essencialmente pela impassividade dos que deviam honrar o símbolo. Assim, não. E, para além da cabeça fria, o que é importante é que se tomem medidas para o futuro porque os mandatos e os vínculos acabam mas o Sporting permanecerá.)

 

Cumprindo a tradição, vim para Porto Santo em Agosto, o mês em que as dificuldades dos que lá persistem em viver são, de certa forma, escondidas, por forma a se tornarem as férias dos que para lá se deslocam mais aprazíveis.

Para os que não sabem, Porto Santo tem, quanto a mim, a melhor praia de Portugal e uma das melhores do mundo, estendendo-se por nove quilómetros de areal dourado, acompanhados por um mar a lembrar as Caraíbas. Para além da famosa praia, é sinónimo de boa gastronomia, mergulho e trilhos. Um pequeno grande paraíso, que consegue agradar a uma multiplicidade de gostos, ainda mantendo muitos dos traços originais.

A pergunta é, portanto, o que é que não tem. E a resposta, sendo evidente para quem conhece a realidade, não é fácil.

Desde logo, sob o espectro da dupla insularidade e dependente das companhias aéreas, a chegada a Porto Santo pressupõe um custo de passagem exorbitante, sendo que o alegado “serviço público” que a TAP afirma fazer se esquece desta parte do território nacional assim que o sol começa a rarear. Muito dependente da Madeira, de onde vem quase tudo o que é indispensável, Porto Santo quase só é lembrado pelos políticos quando se banham nestas águas ou nas eleições.

Não se estranha assim que a ilha permaneça sem hospital, apesar de múltiplas promessas nesse sentido, o que tem como consequência natural que não nasçam crianças aqui. Sob justificações que não convencem, deixou, também, de haver matadouro ou lota, não se produzindo quase nada, tornando os porto-santenses cada vez mais atirados para o turismo que é, por regra, sazonal, tal como o são, aqui, os empregos.

Ser porto-santense é, portanto, uma lição de resistência, cumprida nos meses mais duros, quando o barco que faz a ligação ao Funchal está em reparação e nem sempre os aviões conseguem aterrar na ilha vizinha.

Respondida a questão inicial, de imediato se coloca outra: o que podemos nós fazer para ajudar? Em primeiro lugar, visitar e não se deixar ficar nos hóteis de regime “tudo incluído”. Depois, anunciar. Por último, exigir que lhes sejam dadas as mesmas condições que aos demais mortais. Foi o que decidi fazer, mesmo estando de férias. Porque as minhas férias são o sacrifício deles.

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

 

Recomendadas

A porta que Marcelo abriu

Marcelo reconciliou os portugueses com a Presidência, mas ao mesmo tempo lançou bem fundo as sementes do populismo. Depois de Marcelo, qualquer celebridade com o dom de seduzir as massas poderá aspirar à Presidência.

Os apitos a rebate

Não há, hoje, como vemos pelo ‘Luanda Leaks’, mas já podíamos ter visto na derrocada da banca ou na tragédia da antiga PT, um verdadeiro combate ao crime se se quiser apenas usar os meios tradicionais da investigação.

Afinal Trump é ou não é um isolacionista?

Trump abandonou alguns temas muito caros aos liberais, mas a sua administração está comprometida na competição geopolítica com os seus diretos competidores, e a sua grande estratégia permanece consistentemente hegemónica.
Comentários