Porto vai acolher processos internacionais de conflito

Processos do Tribunal Permanente de Arbitragem vão ser dirimidos no Palácio da Bolsa. O Tribunal foi criado na primeira Conferência de Haia pela Convenção para a Solução Pacífica de Conflitos Internacionais de 1899.

O Instituto de Arbitragem Comercial vai celebrar um protocolo de cooperação com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, para o acolhimento de procedimentos do Tribunal Permanente de Arbitragem (TPA). A assinatura decorre a 17 de setembro, na Sala do Tribunal do Palácio da Bolsa – onde estarão Nuno Botelho, presidente da Associação Comercial do Porto, e Álvaro Mendonça e Moura, secretário-geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O TPA foi criado na primeira Conferência de Haia pela Convenção para a Solução Pacífica de Conflitos Internacionais de 1899. Portugal é membro desde 1900. O Governo português estabeleceu um acordo de sede não permanente deste tribunal, permitindo desta forma a Portugal albergar processos de arbitragem internacional sob os auspícios do TPA.

O acordo permite que conflitos internacionais entre Estados ou entre Estados e entidades privadas possam ser resolvidos no Porto, no Instituto de Arbitragem Comercial, com sede no Palácio da Bolsa.

“Considerando a importância para Portugal e para a cidade do Porto em receber arbitragens internacionais, reforçando assim a imagem internacional do país como centro de resolução de litígios internacionais e o reconhecido valor da Associação Comercial do Porto e do Instituto de Arbitragem Comercial em Portugal, entendeu o Ministério dos Negócios Estrangeiros estabelecer este protocolo”, refere comunicado oficial.

Recomendadas

PremiumFundo dos lesados do BES exige nove mil milhões aos gestores e auditores do banco

Fundo dos lesados avança este ano com ações contra 13 gestores do BES e a auditora KPMG, exigindo 500 milhões de euros a cada um.

PR defende Lei de Bases da Saúde flexível e espera o maior acordo possível entre partidos

O chefe de Estado disse ainda esperar que haja “o maior acordo possível” entre os partidos na votação de uma Lei de Bases da Saúde “flexível”.

Marcelo afirma que “autonomia do Ministério Público é indiscutível”

O Presidente da República reagia assim à greve convocada hoje, pelo Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, contra a intenção do PS e PSD de alteração na estrutura do Conselho Superior do Ministério Público, compondo-o maioritariamente por não magistrados.
Comentários