Porto vai acolher processos internacionais de conflito

Processos do Tribunal Permanente de Arbitragem vão ser dirimidos no Palácio da Bolsa. O Tribunal foi criado na primeira Conferência de Haia pela Convenção para a Solução Pacífica de Conflitos Internacionais de 1899.

O Instituto de Arbitragem Comercial vai celebrar um protocolo de cooperação com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, para o acolhimento de procedimentos do Tribunal Permanente de Arbitragem (TPA). A assinatura decorre a 17 de setembro, na Sala do Tribunal do Palácio da Bolsa – onde estarão Nuno Botelho, presidente da Associação Comercial do Porto, e Álvaro Mendonça e Moura, secretário-geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O TPA foi criado na primeira Conferência de Haia pela Convenção para a Solução Pacífica de Conflitos Internacionais de 1899. Portugal é membro desde 1900. O Governo português estabeleceu um acordo de sede não permanente deste tribunal, permitindo desta forma a Portugal albergar processos de arbitragem internacional sob os auspícios do TPA.

O acordo permite que conflitos internacionais entre Estados ou entre Estados e entidades privadas possam ser resolvidos no Porto, no Instituto de Arbitragem Comercial, com sede no Palácio da Bolsa.

“Considerando a importância para Portugal e para a cidade do Porto em receber arbitragens internacionais, reforçando assim a imagem internacional do país como centro de resolução de litígios internacionais e o reconhecido valor da Associação Comercial do Porto e do Instituto de Arbitragem Comercial em Portugal, entendeu o Ministério dos Negócios Estrangeiros estabelecer este protocolo”, refere comunicado oficial.

Recomendadas
Marta Temido em entrevista à RTP

Fecho imediato de todas as escolas vai ser discutido em Conselho de Ministros nesta quinta-feira

Ministra da Saúde admite que é possível chegar a 20 mil mortes causadas pela pandemia até março. Variante britânica do coronavírus SARS-CoV-2 representa 20% dos casos de infeção e poderá chegar aos 60%.

“Ingerência” ou “acusações falsas”? Caso do procurador europeu divide Parlamento Europeu

Apenas o grupo político europeu que integra o PS aceitou sem reservas as explicações do Governo português. O grupo político do PSD e CDS-PP diz que “disparates destes são próprios de outras latitudes” e que é preciso investigar o caso. Já o GUE/NGL, onde está o BE e o PCP, não se opõe à nomeação, mas lamenta “trapalhada grave” que ameaça manchar a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.

PS pede a PSD que evite “aproveitamento partidário” da pandemia

“Temos de evitar que haja tentativas de aproveitamento partidário numa circunstância especialmente difícil, dramática, da nossa vida coletiva”, disse à agência Lusa o dirigente socialista, respondendo, assim, a Rui Rio, que pediu hoje ao primeiro-ministro, António Costa, para encerrar as escolas a partir de quinta-feira, de modo a conter a propagação do SARS-CoV-2.
Comentários