Portos da Madeira ponderam descer taxas portuárias

Número de passageiros e cruzeiros no Funchal tem diminuído, em consequência do reposicionamento de navios em mercados emergentes.

A quebra registada, nos últimos três anos, no número de navios cruzeiro e de passageiros pode vir a justificar uma descida das taxas portuárias no porto do Funchal.

Patrícia Bairrada, gestora comercial da Administração dos Portos da Região Autónoma da Madeira (APRAM), admitiu, esta quarta-feira, que o número de escalas no porto do Funchal tem caído, em consequência do novo perfil de passageiros e do reposicionamento de navios em mercados emergentes como o asiático.

A gestora comercial avança que estão a ser tomadas medidas para recuperar, entre 5 a 6 anos, as perdas registadas e que isso deve levar a uma agilização ao nível do tarifário como incentivo à procura pela Região.

Não obstante a atual conjuntura, Patrícia Bairrada considera que as perspetivas para os próximos anos são positivas, já que a construção de novos navios deverá reposicionar, em 2022, mais cruzeiros para a Região.

Recomendadas

Madeira: PCP propõe gabinete para micro e pequenas empresas acederem a medidas de apoio ao coronavírus

Os comunistas madeirenses alertam que o acesso aos apoios às empresas, que foram decretados pelos governos, requerem um conjunto de actos burocráticos que muita micro e pequenas empresas da região não vão ter condições humanas e técnicas para poder concretiza-las e para aceder aos referidos apoios.

Câmara do Funchal lança guia de boas práticas para comerciantes lidarem com coronavírus

Este guia reúne as práticas a adotar nesta nova fase de modo a que os empresários possam proceder à reabertura dos seus espaços comerciais em plena segurança, explicou Miguel Gouveia, presidente da Câmara Municipal do Funchal.

Coronavírus: Madeira vai manter estratégia de controlo de entrada de passageiros

O presidente do Governo da Madeira disse que a única forma que temos de controlar focos potenciais do vírus na região, e de proteger a vida dos cidadãos passa por se a capacidade de controlarmos as entradas na região. Miguel Albuquerque refere que “não estão a ser violados Direitos, Liberdades e Garantias. Estamos para proteger outros direitos, como o direito à saúde e à vida da restante população, para restringir e salvaguardar desses potenciais focos de infeção”, acrescentou o governante.
Comentários