Portos: presidente do governo promete, vice-presidente recua

A verdadeira reestruturação estaria iniciada se o Governo Regional da Madeira salvaguardasse os riscos de monopólio para a Região, precavendo os rendimentos excessivos face aos congéneres do Continente, que pagam renda pela utilização do espaço e pagam pela sua manutenção.

Decorreu esta semana um debate sobre o Sistema Portuário na Região Autónoma da Madeira. Ficou evidente que a ação do vice-presidente do governo veio para agilizar processos e também para fazer recuar outros temas mais incómodos.

Dessa discussão ficaram alguns pontos assentes: a desadequação do modelo de organização e de governação dos portos da Madeira e da APRAM; a carência de sustentabilidade, o sobre-endividamento (atualmente com mais de 130 milhões de euros de dívida), os custos de investimentos exagerados, o regime tarifário desatualizado, a elevada fatura portuária que reduz a competitividade dos portos, a falta de concorrência portuária e na cadeia de abastecimento da Madeira e o respetivo controlo vertical; a falta de instrumentos de controlo do serviço público dos portos.

O Governo Regional PSD prometeu a reestruturação da operação portuária e ainda não cumpriu na íntegra. Porque, levou mais de dois anos para revogar uma licença que acusava de ser inadequada; porque prometeu lançar o concurso internacional para atribuir a concessão independentemente da ação judicial e não o fez; porque se encontra amordaçado, preso aos lóbis, que carregam diariamente sobre o custo de vida do cidadão e das empresas.

A isenção, em maio de 2018, da Taxa de Utilização Portuária (TUP) carga para as importações, igualando o restante do país ainda não surtiu qualquer efeito no preço do produto ao consumidor. Mais uma vez, e passados dois meses, falha o Governo, falha a APRAM.

A verdadeira reestruturação estaria iniciada se o Governo Regional da Madeira salvaguardasse os riscos de monopólio para a Região, precavendo os rendimentos excessivos face aos congéneres do Continente, que pagam renda pela utilização do espaço e pagam pela sua manutenção.

Permanece relevante recordar um dos exemplos mais marcantes da dialética Autonomia versus República. A autonomia político-administrativa ofereceu, de mão beijada, a exportação e a importação dos recursos às ilhas da Madeira e do Porto Santo. A República exige obrigações de serviço público e recebe dividendos.

Por outras palavras, a síntese revela-se na seguinte verdade: os operadores dos portos da República pagam rendas de milhões. Os portos da Madeira e do Porto Santo estão entregues, de borla, a um único operador.

Urge evitar, aliás, acabar de vez, com as licenças às empresas para operar em terminais construídos com o dinheiro dos contribuintes, sem pagar renda, e sem escala e nem produtividade. Devem ser os utilizadores do porto a pagar o que usam.

O atual modelo de licença provisória não promove a concorrência e a conetividade económica.

Recomendadas

Madeira na linha da frente do crescimento da Anturio

Após ter duplicado a faturação na Região até setembro, a empresa de informática espera um disparo de até 50% em 2019. Novos produtos, contratações e uma fusão estão a ser preparados para acompanhar o crescimento, diz o CEO da empresa ao EM.

Alojamento e restauração lideram acidentes de trabalho na Madeira

O setor representou 17,9 dos acidentes de trabalho na Madeira.

Funchal: O que precisa de saber sobre as bolsas de estudo do ensino superior

Já foram efetuadas 606 candidaturas às bolsas de estudo universitárias atribuídas pela Câmara Municipal do Funchal. Este apoio está disponível para quem tem residência no município e estuda na Madeira, Continente, Açores, ou no Estrangeiro. Está orçamentada uma verba de 1,4 milhões de euros.
Comentários