Portugal acima da média europeia na utilização de energias renováveis para aquecer casa

Os portugueses aparecem em sétimo lugar na tabela que analisa a utilização de energias renováveis para aquecimento e arrefecimento dos espaços, utilizando o dobro da média europeia.

No que toca à utilização de energia renováveis para uso doméstico, Portugal registou uma percentagem que é quase o dobro da média europeia. A média dos 27 (ainda a contar com o Reino Unido) situa-se nos 21% enquanto que entre os portugueses a utilização destas energias para aquecimento ou arrefecimento dos espaços chega aos 41%, segundo os dados do Eurostat revelados esta terça-feira.

Os dados são referentes a 2018, mas olhando para anos anteriores a taxa de utilização manteve-se nos 41% desde 2016. O salto mais notável foi de 2012 para 2014, quando a utilização cresceu de 32% para 40%. Dez anos antes, em 2008, a percentagem era de 37%.

Olhando para a escala europeia, a Suécia ocupa o primeiro lugar como país mais dependente das energias “limpas”. Segundo o gabinete de estatística europeu, 65% dos suecos utilizam este serviço mais sustentável para gerir a temperatura em casa. Na Letónia, segundo na tabela, o recurso a estas energias situa-se nos 56% e logo a seguir a surge a Finlândia que depende em 55% das energias renováveis para uso doméstico.

A contrastar, o Reino Unido, que em 2018 ainda pertencia à União Europeia, ocupa a terceira pior posição (8%) a Irlanda e a Holanda surgem como os menos dependentes (6%).

De forma geral, a utilização das energias mais amigas do ambiente no espaço europeu manteve-se em crescimento. Em 2008, a dependência situava-se nos 15%, tendo depois saltado para 20%, em 2014. Se a tendência se mantiver, os dados de 2019 do Eurostat, que serão divulgados no próximo ano, poderão indicar aumentos ligeiros.

Recomendadas

Plano de descarbonização do Reino Unido vai atrair 90 mil milhões em investimento e criar 440 mil empregos

Apesar da boa nova, para os especialistas e ativistas as propostas continuam longe de ser suficientes para fazer frente às necessidades climáticas urgentes e a por um fim nos combustíveis fósseis.

Raros glaciares africanos deverão desaparecer nas próximas duas décadas, alerta ONU

O relatório sobre o estado do clima em África, publicado menos de duas semanas antes da abertura da Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (COP 26), agendada para o final do mês em Glasgow, destaca a vulnerabilidade desproporcionada de África e assinala que as alterações climáticas contribuíram para o aumento da insegurança alimentar, pobreza e deslocação no continente durante o ano passado.

Rainha de Inglaterra irritada com muitas opiniões e pouca ação contra alterações climáticas

A Rainha de Inglaterra é a última figura da monarquia britânica a abordar o tema, sendo que os príncipes Carlos e William já tinham falado sobre as problemáticas ambientais.
Comentários