Portugal aloja sete das 366 fábricas da UE para produção de vacinas (com áudio)

GenIbet Biopharmaceuticals, Neutroplast, Bluepharma – Indústria Farmacêutica, IMMUNETHEP, os Laboratórios Basi – Indústria Farmacêutica e a Stemmatters, Biotecnologia e Medicina Regenerativa são os sete centros onde estas vacinas são produzidas.

Portugal aloja sete das 366 fábricas que, na União Europeia (UE), participam no processo de produção de vacinas anticovid-19, nomeadamente de fabrico e de fornecimento de matérias-primas e outros componentes, segundo dados hoje divulgados pela Comissão Europeia.

A informação consta do mapa interativo, hoje lançado pelo executivo comunitário, que exibe as capacidades de produção de vacinas contra a covid-19 na UE ao longo de toda a cadeia de abastecimento, passando pelo fornecimento (de matérias-primas, consumíveis, descartáveis e equipamentos), produção (fabrico e formulação), acabamentos, armazenamento e expedição e ainda por outras áreas (como investigação e desenvolvimento e serviços de gestão de ensaios clínicos).

Segundo esta ferramenta de cartografia, que tem por base os dados do grupo de trabalho da Comissão Europeia para a expansão industrial da produção de vacinas anticovid-19 e as informações dados pelos Estados-membros, são 366 os espaços atuais na UE dedicados a esta questão.

E, destes, sete estão alojados em Portugal, entre os quais GenIbet Biopharmaceuticals (uma fábrica de produção em Oeiras e outra de outro tipo em Lisboa), Neutroplast (de fornecimento em Sobral de Monte Agraço), Bluepharma – Indústria Farmacêutica (de fornecimento em Coimbra), IMMUNETHEP (de outro tipo em Cantanhede), Laboratórios Basi – Indústria Farmacêutica (de fornecimento em Mortágua) e Stemmatters, Biotecnologia e Medicina Regenerativa (de fornecimento em Guimarães), de acordo com os dados da Comissão Europeia.

Os dados foram publicados no dia em que a UE atingiu o marco dos 70% dos adultos vacinados com a primeira dose da vacina anticovid-19, estando 57% totalmente inoculados.

Atualmente, estão aprovadas quatro vacinas anticovid-19 pelo regulador da UE: a Comirnaty (nome comercial da vacina Pfizer/BioNTech), Spikevax (nome comercial da vacina da Moderna), Vaxzevria (novo nome do fármaco da AstraZeneca) e Janssen (grupo Johnson & Johnson).

Além dos atrasos na entrega das vacinas e em quantidades aquém das contratualizadas por parte da farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca, a campanha de vacinação da UE tem sido marcada por casos raros de efeitos secundários como coágulos sanguíneos após toma deste fármaco, relação confirmada pelo regulador europeu, como também aconteceu com a vacina da norte-americana Johnson & Johnson.

No caso da AstraZeneca, a farmacêutica foi obrigada judicialmente (por um tribunal belga) a cumprir os prazos de entrega de vacinas à UE.

Em fevereiro deste ano, a Comissão Europeia criou um grupo de trabalho para aumentar a capacidade de produção de vacinas na UE, atuando como um balcão único para os fabricantes que necessitam de apoio e identificação e resolução de eventuais problemas na cadeia de abastecimento.

Relacionadas

Vacina portuguesa contra Covid-19 poderá estar pronta em 2022, mas vai precisar de 20 milhões de apoio público

Sediada em Cantanhede, a Immunethep pretende arrancar com os ensaios clínicos ainda este ano para que mais tarde possa pedir uma autorização provisória de emergência de entrada no mercado. No entanto, para que estes prazos sejam cumpridos será necessário um apoio do Estado, explica Bruno Santos à JE TV “Fast Talk”.

Vacina portuguesa. Ensaios pré-clinicos demonstram “capacidade de produção robusta de anticorpos” (com áudio)

Objetivo da empresa portuguesa é avançar para os ensaios clínicos em humanos no segundo semestre deste ano.

Vacina portuguesa pronta para ensaios clínicos mas aguarda apoio público

A vacina portuguesa, que está a ser desenvolvida na Immunethep, está “a aguardar o investimento para entrar em ensaios clínicos. É isso que falta para dar por arrancada a parte clínica”.
Recomendadas

Ricardo Baptista Leite: “Um concelho sem segurança e sem saúde não consegue prosperar”

As propostas a nível da saúde e segurança são os pilares da candidatura de Ricardo Baptista Leite à Câmara de Sintra. O médico e representante da coligação “Curar Sintra”, sob liderança do PSD, pretende reforçar o policiamento e a videovigilância no concelho, ao mesmo tempo que promete um médico assistente às mais de 100 mil famílias que não têm acesso a um. “Não é possível criar e fomentar um sentimento de bem-estar sem resolvermos estes problemas”.

Líder do CDS acusa Costa de “deslealdade perante os eleitores”

Em declarações aos jornalistas em Nelas (distrito de Viseu) à margem de uma iniciativa da campanha autárquica, Francisco Rodrigues dos Santos afirmou que “há uma questão ética e moral que deve haver na política, que é em altura de eleições alguém que ocupa a função de primeiro-ministro não deve exacerbar as suas funções e confundi-las com as de secretário-geral do PS”.

Funchal: Coligação Confiança garante construção de 202 novas habitações sociais

O cabeça de lista da Coligação Confiança referiu que gostaria que o Funchal também tivesse acesso às verbas do Plano de Recuperação e Resiliência, destinadas à construção de habitação social.
Comentários