Portugal cai seis posições no ranking global de competitividade em 2018

Portugal sofreu a maior queda entre os países europeus, causada sobretudo pela redução do investimento público na educação e pelo abrandamento na transformação digital nas empresas. IMD World Competitiveness Center coloca Portugal no 39.º lugar de um ranking liderado por Singapura, Hong Kong e Estados Unidos.

Rafael Marchante/Reuters

Portugal desceu para a 39.ª posição do ranking global de competitividade do IMD World Competitiveness Center relativo a 2018, que está a ser divulgado nesta terça-feira. Para a queda de seis posições em relação ao ano anterior, que foi a mais abrupta entre os países europeus, contribuíram sobretudo a educação (passou da 22.ª para a 28.ª posição), nomeadamente devido à redução de um ponto percentual no investimento público, e o abrandamento da transformação digital nas empresas.

Entre os pontos com impacto mais positivo para Portugal encontram-se o 19.º lugar na categoria de infraestruturas, particularmente na área da saúde e do ambiente, bem como o 26.º lugar no que diz respeito ao comércio externo. Também se destaca a legislação relativa aos negócios, em que o país surge em 19.º lugar num conjunto de 63 países.

No entanto, para a 39.ª posição no ranking liderado por Singapura, Hong Kong e Estados Unidos, e cuja elaboração contou com a parceria da Porto Business School, teve peso a manutenção de Portugal em posições relativamente baixas no desempenho económico. Ainda assim, o nível de emprego melhorou ligeiramente, verificando-se uma subida da 51.ª para a 48.ª posição em 2018, contando para tal com decréscimos no desemprego jovem (de 23,9 para 20,3 por cento) e no desemprego de longo termo (de 5,1 para 3,6 por cento). E também as finanças públicas registaram uma pequena melhoria, passando da 54.ª para a 53.ª posição global.

Entre os desafios que a economia portuguesa enfrenta, segundo os autores do ranking, estão a redução estrutural do défice público, necessária para obter um excedente orçamental permanente e reduzir a dívida pública numa perspetiva de longo prazo. De igual modo, torna-se necessária uma estratégia nacional de transformação digital, um sistema burocrático mais eficiente e uma maior aposta na formação na área das ciências, tecnologias, matemática e engenharia, para “desenvolver nas novas gerações competências e responsabilidade para abraçar as novas tecnologias emergentes”.

Entre os indicadores considerados mais atrativos na economia portuguesa num inquérito realizado pelos autores do ranking a decisores destacam-se a existência de mão-de-obra qualificada (77,8 por cento), os custos competitivos (76,4 por cento), as infraestruturas (68,1 por cento), a atitude aberta e positiva (54,2 por cento) e a estabilidade e previsibilidade políticas (43,1 por cento)

O ranking IMD World Competitiveness Center existe desde 1989 e engloba 235 indicadores de 63 economias de vários continentes, levando em conta estatísticas ligadas ao desemprego, produto interno bruto e despesas públicas com saúde e educação, bem como uma pesquisa de opinião que abrange tópicos como a coesão social, globalização e corrupção. A informação divide-se em quatro categorias (desempenho económico, infraestruturas, eficiência do governo e eficiência empresarial) para dar uma nota final a cada país.

Os autores do documento sublinham que a Europa teve um mau ano no que toca à competitividade, sendo uma das raras exceções a Irlanda (subiu para o sétimo lugar do ranking), enquanto a incerteza quanto o Brexit fez com que o Reino Unido descesse três posições, para o 23.º lugar. No entanto, o país europeu com posição mais elevada no ranking de 2018 foi a Suíça (em quarto lugar), e entre os dez melhores também houve lugar para a Holanda (em sexto), Dinamarca (em oito) e Suécia (em nono).

Ler mais

Recomendadas

Operadores oferecem mais de 200 milhões de euros no sétimo dia da fase principal do leilão do 5G

Face de licitação principal do leilão do 5G chega aos 200,4 milhões de euros. Propostas superam em 4,2 milhões de euros as ofertas das rondas de quinta-feira.

PremiumDeolinda Silva: “Indústria alimentar pode ser exportadora líquida num futuro próximo”

As exportações do sector agroalimentar português cresceram cerca de 20% entre 2015 e 2019. Nesse ano, as empresas associadas da PortugalFoods exportaram 830 milhões de euros, um crescimento de 40% no período em causa.

Bruxelas propõe alterar OE2021 para ajudar Estados-Membros na adaptação ao Brexit

Este ajuste garantirá a disponibilidade de recursos suficientes este ano para ajudar os 27 países do bloco europeu a fazer face aos efeitos imediatos do Brexit.
Comentários