Portugal celebra 30 anos de energias renováveis

O decreto-lei foi aprovado no Governo de Cavaco Silva, pelos ministro da Indústria, Luís Mira Amaral, e secretário de Estado da Energia, Nuno Ribeiro da Silva.

Fabian Bimmer/Reuters

Celebram-se hoje 30 anos sobre a publicação do Decreto-lei 189/88, de 27 de maio, que permitiu a abertura da produção elétrica ao setor privado em Portugal.

Segundo um comunicado da APREN – Associação de Energias Renováveis, este foi “o primeiro passo para que o país pudesse ter o setor de produção de eletricidade que tem hoje”.

“Talvez pouco tenham presente que após a Revolução de 25 de abril de 1974 todo o setor elétrico português foi nacionalizado, vindo a integrar a EDP, que foi constituída em 1976. O DL 189/98 veio permitir a abertura ao setor privado da produção de eletricidade, embora apenas com base em centeais hídricas até 10 MW [Megawatts] (as chamadas mini-hídricas)”, recorda António Sá da Costa, presidente da APREN.

“Ao longo dos anos, a tecnologia tem vindo a evoluir, e com ela a importância que tem no combate às alterações climáticas e na promoção da eficiência energética. É por essa razão que nos dias de hoje é possível instalar centrais elétricas renováveis aptas a competir no mercado sem qualquer apoio, que podem inclusive receber pela produção de ‘megawatts hora renovável’ valores inferiores aos das centrais térmicas, o que resulta numa redução do preço no mercado grossista”,  destaca aquele responsável.

A APREN alerta ainda que “nem sempre o consumidor percebe os ganhos que a produção de eletricidade renovável está a trazer, pois estes dissipam-se nos outros custos que a fatura da eletricidade incorpora”, acrescentando que esse mesmo consumidor “também não tem forma de perceber que, sem estas centrais renováveis, a fatura mensal da eletricidade seria muito maior”.

Relacionadas

Energia: Gigantes europeus procuram soluções portuguesas

PME portuguesas, desafiadas pelo INESC TEC e pela EDP Distribuição, têm a oportunidade de apresentar as suas soluções tecnológicas ao mundo.

Startups portuguesas podem receber 500 mil euros para projetos de energia sustentável

InnoEnergy lança segunda convocatória ibérica para startups. Em 2017 empresa investiu mais milhão de euros em oito startups do setor solar, gestão energética, captura de CO2, produção de energia a partir de resíduos e armazenamento de energia.

“São os consumidores que estão a mudar o sistema energético”, diz líder de renováveis da Accenture

Melissa Stark, ‘managing director’ de Energias Renováveis da Accenture, trabalha há 24 anos na indústria energética. A responsável da consultora esteve em Portugal e, em entrevista ao Jornal Económico, contou como os sistemas digitais estão a reduzir custos na manutenção de turbinas. “Se utilizamos as nossas redes sociais para seguir-nos uns aos outros por que seguimos a nossa turbina?”, disse.
Recomendadas

PremiumPequenos produtores vendem negócios para evitar falência

As pequenas empresas produtoras de vinho, que não exportam e dependem das vendas em restaurantes, “estão com problemas graves”, alerta o presidente da ViniPortugal, Frederico Falcão.

Caso EDP: Tribunal reduz para 100 milhões de euros caução aplicada ao administrador da REN

O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) reduziu sexta-feira a caução a prestar pelo administrador da REN João Conceição, arguido no processo EDP, de 500 mil euros para 100 mil, considerando “algo frágil” a justificação do juiz Carlos Alexandre.

ASAE instaura 3 processos-crime e 10 de contraordenação por incumprimento de regras Covid-19

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) fiscalizou esta semana 97 operadores económicos o cumprimento das regras do estado de emergência, instaurando 10 processos por contraordenação e três processos-crime, dois por desobediência e um por contrafação.
Comentários