Portugal coloca 1.750 milhões de euros em dívida de curto prazo a taxas mais negativas

O IGCP emitiu, esta quarta-feira, 1.750 milhões de euros em dívida de curto prazo num leilão duplo de Bilhetes do Tesouro (BT), com maturidade a seis e a 12 meses, a taxas mais negativas face ao último leilão comparável, realizado em maio.

Cristina Bernardo

O Tesouro colocou esta quarta-feira 1.750 milhões de euros em dívida de curto prazo, com maturidade a seis e a 12 meses, a taxas de juro mais negativas face ao leilão comparável de junho.

Na dívida de curto prazo, a seis meses — com maturidade em 15 de janeiro de 2021 —, a entidade gerida por Cristina Casalinho emitiu 500 milhões em Bilhetes do Tesouro (BT), a uma taxa de juro de -0,467%.

Já a 12 meses — com maturidade a 16 de julho de 2021 — o Tesouro colocou 1.250 milhões de euros a uma taxa de juro de -0,452%.

No leilão duplo desta manhã, a procura superou a oferta nas duas maturidades. Nos títulos a 12 meses, a procura superou a oferta em 2,54 vezes e nos BT a seis meses, foi mais de 3,64 vezes superior.

Para Filipe Silva,  diretor de investimentos do Banco Carregosa, salienta “o mercado de dívida tem estado suportado pelas sucessivas intervenções que os bancos centrais têm feito, e as medidas que têm vindo a ser sucessivamente anunciadas, quer fiscais, quer monetárias, vêm no sentido de apoiar a economia e permitir dar tempo às empresas e países para retomarem a atividade e evitar uma severa recessão”.

Em consequência, explica que “isto tem levado a uma procura por taxa em todas as maturidades, este efeito tem sido visível no spread que Portugal tem versus a Alemanha, que depois de atingir o pico em março de 171,36 pontos base, baixou para os atuais 85,67. Esta redução de risco tem permito emitir dívida de curto prazo com taxas negativas e que acaba por ser benéfico para o país”.

No último leilão duplo comparável, em maio deste ano, o IGCP colocou 1.750 milhões de euros em dívida de curto prazo. Na maturidade mais longa, a 12 meses, Portugal pagou -0,351% para se financiar em mil milhões de euros. Já na maturidade mais curta, o Tesouro emitiu 750 milhões de euros com uma yield de -0,411%.

(atualizada às 11h00 com o comentário de Filipe Garcia)

Ler mais

Relacionadas

Tesouro paga taxas negativas para emitir 1.750 milhões em dívida a seis meses e um ano

O Tesouro emitiu mil milhões de euros em dívida a um ano com uma taxa de alocação de -0,351%, mais negativa do que a registada em março. Colocou ainda 750 milhões de euros em dívida a seis meses, tendo pago uma taxa de -0,411%.

Portugal regressa ao mercado na quarta-feira para financiar-se até 1.750 milhões de euros

Os dois leilões das linhas de bilhetes do tesouro têm maturidades a seis meses e um ano, segundo o IGCP – Agência da Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública

Orçamento Suplementar: IGCP quase duplica necessidade de financiamento

Em Obrigações do Tesouro (OT) serão emitidos 29,3 mil milhões de euros, ou seja, mais 14 mil milhões de euros, segundo a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública.
Recomendadas

Bolsa de Lisboa em terreno negativo em linha com praças europeias

Novabase, Mota-Engil, CTT e BCP estão a cair mais de 1% na bolsa de Lisboa esta quinta-feira.

Wall Street fecha em baixa enquanto negociações sobre pacote de estímulos se arrastam

A tecnológica Snap disparou mais de 28% no fecho da sessão desta quarta-feira, para 36,50 dólares, depois de reportar os resultados do terceiro trimestre. A dona do Snapchat teve um aumento homólogo de 52,10% nas receitas, para 678,7 milhões de dólares.

CTT e Galp lideram perdas na bolsa de Lisboa. Europa fecha em queda com alertas de Lagarde

“A castigar o sentimento estiveram as declarações da presidente do BCE de que o aumento inesperado das infeções é um “risco claro” para as perspetivas económicas na região, à medida que o surto se continua a alastrar na Europa e os países aumentam restrições”, refere o analista de mercados do Millennium bcp.
Comentários