Portugal tem a oitava luz e o terceiro gás mais caros da UE (com áudio)

Os dados são referentes ao primeiro semestre, numa altura em que os preços ainda não tinham disparado para os máximos registados recentemente no mercado grossista ibérico.

Portugal registou a oitava eletricidade mais cara da União Europeia no primeiro semestre deste ano, segundo os dados hoje divulgados pelo Eurostat.

O país registou um valor de 0,2089 euros por kilowatt/hora, com o ranking a ser liderado pela Alemanha com 0,3193 euros/kWh.

Segue-se a Dinamarca (0,29 euros/kWh) e a Bélgica (0,2702 euros/kWh).

Espanha surge na quinta posição com 0,2323 euros/kWh.

Em termos de médias, a zona euro regista o preço de 0,2322 euros/kWh, com a União Europeia a registar 0,2192 euros/kWh.

Os maiores aumentos tiveram lugar na Eslovénia (15%), Polónia (8%) e Roménia (7%), com os maiores recuos a terem lugar nos Países Baixos (-10%), Chipre (-7%) e Lituânia (-6%).

Olhando para o gás natural, Portugal regista o terceiro preço mais elevado: 0,0911 euros/kWh.

O ranking é liderado pela Suécia (0,13 euros/kWh) e os Países Baixos (0,1009 euros/kWh).

Em termos de médias, a zona euro regista um preço de 0,0722 euros/kWh, com a União Europeia a registar 0,0677 euros/kWh.

Recomendadas

Covid-19: Irlanda encerra discotecas e anuncia novas restrições para fazer face à variante Ómicrom

O Governo irlandês anunciou esta sexta-feira novas restrições para conter a disseminação da nova variante Ómicron da covid-19, que incluem o encerramento de discotecas ou o distanciamento social em alguns locais.

Portugal pode esperar “política de continuidade” do novo ministro das Finanças da Alemanha, diz analista germânico

O politólogo Benjamin Höhne acredita que as políticas seguidas pelo futuro ministro das Finanças alemão, o liberal Christian Lindner (na foto), favorecerão a “continuidade”, mais do que mudança, em relação aos países do sul da Europa como Portugal.

Idade da reforma poderá baixar para 66 anos em 2024

Aumento da mortalidade provocado pela pandemia de Covid-19 está a reduzir a esperança média de vida em Portugal, pelo que a idade média da reforma vai baixar para 66 anos e quatro meses em 2023. No ano seguinte, em 2024, deverá baixar ainda mais, para 66 anos, interrompendo uma trajetória de subida que se verificava desde 2014.
Comentários