Portugal com recorde de participantes no programa da Euronext que prepara tecnológicas para entrar em bolsa

A 6ª edição do TechShare conta como 119 participantes (73 de tecnologias, media e telecomunicações, 33 de ciências da vida e 13 de ‘cleantech’). Por cá, entram CRIAMTech, Doutor Finanças, IndieCampers, Liqui.dom, LOQR, Lusospace, S. Roque, Sea4us, Sikur e Visor.ai.

A 6ª edição do programa de formação e networking da Euronext, desenhado para as tecnológicas saberem mais sobre o mercado de capitais, conta com a participação de dez empresas portuguesas: a CRIAMTech, a Doutor Finanças, a IndieCampers, a Liqui.dom, a LOQR, a Lusospace, a S. Roque, a Sea4us, a Sikur e a Visor.ai.

O TechShare 2020-2021, que pretende explicar às tecnológicas como uma IPO (Initial Public Offering) pode potenciar o seu crescimento e desenvolvimento – logo, caçá-las para a bolsa – tem este ano 119 participantes (73 de tecnologias, media e telecomunicações, 33 de ciências da vida e 13 de cleantech).

A “turma” portuguesa deste ano é recordista. Comparativamente à edição 2019-2020 juntaram-me mais três empresas dispostas a conhecer as alternativas de financiamento que o mercado de capitais tem para oferecer.

A CEO Euronext Lisbon referiu que, por vezes, se perpetua a ideia de que é necessário recorrer ao índice de Wall Street Nasdaq para ter acesso a investidores e a modelos de governance que permitam manter o controlo das empresas. “As poucas empresas europeias que tentaram o mercado norte-americano enfrentaram enormes desafios, sendo que muitas delas nunca chegaram a concretizar a sua abertura de capital em mercado”, alertou Isabel Ucha no kick-off do programa que decorreu online devido à pandemia.

Na sua opinião, as tecnológicas europeias beneficiam da negociação de ações no ‘Velho Continente’ por fatores como a realidade jurídica e cultura financeira semelhantes. “A ambição de crescimento de cada um de vós é um elemento-chave na hora de financiamento. O mercado de capitais continua e continuará a ser a opção estratégica que permite reunir o financiamento necessário, muitas vezes, em volumes muito significativos para assistir um rápido crescimento das empresas tecnológicas”, afirmou Isabel Ucha.

“Muitas vezes somos tentados a pensar que só as empresas grandes, só alguns sectores ou só o mercado regulamentado é que são fatores essenciais para ter um IPO de sucesso, o que não é verdade. O mercado de capitais é o reflexo da economia”, completou Filipa Franco, head of Listing da Euronext Lisbon.

A Euronext contabiliza 485 empresas tecnológicas, metade das quais entraram no mercado nos últimos cinco anos. O grupo pan-europeu garante que dá acesso a um vasto ecossistema dedicado ao sector e a uma base de investidores alargada e internacional financiando empresas em todas as fases de crescimento, incluindo gestoras de fundos long-only, e a investidores de retalho, ativo precioso gerar liquidez após o IPO. Ademais, destaca tem desenvolvido iniciativas dedicadas a empresas inovadoras, cotadas ou não cotadas, de modo a proporcionar soluções, apoio e liquidez.

A nova edição do TechShare – no qual estão envolvidos oito países – volta a contar com a sociedade de advogados Morais Leitão, o banco BPI/CaixaBank, a consultora PwC e a Cunha Vaz & Associados como parceiros.

Ler mais

Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.
Comentários