Portugal condena ataques do Irão contra forças norte-americanas no Iraque

O ministro dos Negócios Estrangeiros português condenou hoje os ataques do Irão a uma base com forças norte-americanas no Iraque, apelando à contenção de todos os envolvidos para evitar “uma espiral de violência” no Médio Oriente.

“As ações militares tomadas pelo Irão contra bases da coligação internacional [que luta contra o grupo extremista Estado Islâmico no Iraque], a que Portugal pertence, merecem a nossa condenação, mas apelamos também a todos os envolvidos para que usem da máxima contenção para evitarmos uma espiral de violência e uma escalada que nos afastará mais de uma solução pacífica, sustentada e duradoura para a estabilidade no Médio Oriente”, disse Augusto Santos Silva.

O chefe diplomacia portuguesa falava hoje, em Lisboa, à margem de um seminário sobre cooperação, cultura e língua, promovido pelo instituto Camões.

Questionado pelos jornalistas sobre se, face aos mais recentes acontecimentos, Portugal vai reforçar a segurança da embaixada portuguesa em Teerão, no Irão, Santos Silva evocou os protocolos de segurança existentes.

“Temos os protocolos de segurança requeridos pela presença de cidadãos portugueses nos países ou regiões onde haja situações de emergência ou críticas, que ativamos sempre que necessário, e temos protocolos de segurança para as embaixadas, consulados ou pessoal diplomático, que pela sua natureza não são públicos, nem podem ser divulgados publicamente”, disse.

Mais de uma dúzia de mísseis iranianos foram lançados hoje de madrugada contra aquelas duas bases iraquianas – em Ain al-Assad e Erbil – que albergam tropas norte-americanas.

Esta ação foi assumida pelos Guardas da Revolução iranianos como uma “operação de vingança” da morte do general Qassem Soleimani, comandante da força de elite Al-Quds, que morreu na sexta-feira num ataque aéreo em Bagdad, capital do Iraque, ordenado pelo Presidente dos EUA, Donald Trump.

O Departamento de Defesa norte-americano confirmou que “mais de uma dúzia de mísseis” iranianos foram disparados contra as duas bases, mas não indicou se resultaram vítimas dos ataques.

Na sua conta no Twitter, numa primeira reação, Trump disse que “está tudo bem”, sublinhando que estava em curso a avaliação de vítimas e danos, e prometeu pronunciar-se hoje sobre a situação.

A televisão estatal iraniana afirmou que os mísseis mataram 80 norte-americanos, citando uma “fonte informada” junto dos Guardiães da Revolução.

Ler mais
Relacionadas

UE, França, Reino Unido e China apelam ao diálogo entre Irão e EUA

Um pouco por todo o mundo, os líderes políticos estão alarmados com a agravar da tensão entre Irão e os Estados Unidos.

Iraque: Governo garante que 34 militares portugueses “estão bem” depois de ataque iraniano a bases dos EUA

Os membros do exército português estão na base de Besmayah, localizada a 40 quilómetros da capital iraquiana. O Irão atacou duas bases norte-americanas no Iraque, como retaliação pela morte de general iraniano.

Ayatollah Ali Khamenei: Ataques do Irão foram uma “chapada na cara” dos Estados Unidos

O presidente iraniano considera que o seu país deu uma “resposta esmagadora” aos EUA depois da morte do general Qasem Soleimani. O ayatollah também criticou a presença norte-americana no Médio Oriente: “A presença da América, que é uma forma de corrupção nesta região, deve chegar ao fim”.

Trump sobre ataque iraniano: “Está tudo bem”

“Avaliação das baixas e danos está agora a ter lugar. Até agora, tudo bem!”, disse o presidente norte-americano que vai fazer uma declaração esta manhã sobre os ataques. Tanto os EUA como o Iraque garantem que não há baixas a registar devido aos ataques.
Recomendadas

PremiumTrump volta à melhor forma com crise racial a somar-se à de saúde

No limite, os confrontos por causa da morte de George Floyd vão fazer com que o presidente consiga provar aos norte-americanos que, como a resposta à pandemia, tudo não é mais que um ‘complot’ dos democratas

Alemanha com mais 407 casos e 33 mortes nas últimas 24 horas

As regiões do país com mais incidência cumulativa de casos são Bavária, Bade-Vurtemberga, Hamburgo e Sarre.

UNICEF avisa que dez milhões de crianças moçambicanas arriscam “pobreza mais extrema”

A declaração faz parte de um conjunto de análises publicadas por aquela agência da ONU entre o Dia da Criança, a 01 de junho, e o Dia da Criança Africana, celebrado a 16 de junho.
Comentários