Portugal condena de forma “veemente” o ataque às instalações petrolíferas da Arábia Saudita

Esta segunda-feira, os mercados acordaram com uma subida de 20% do preço do petróleo depois de se saber que as instalações da Aramco, a petrolífera estatal da Arábia Saudita, foi severamente afetada por um ataque de drones levado a cabo por um grupo de Houthis, do Iémen, e que são pró-Irão.

O ministério dos Negócios Estrangeiros condenou de “e forma veemente o ataque perpetrado sobre instalações petrolíferas da Aramco na Arábia Saudita”.

Em comunicado enviado às redações esta segunda-feira, o ministério liderado por Augusto Santos Silva, disse que os “sucessivos ataques em solo saudita sobre infraestruturas civis” são motivo de preocupação e que foram perpetrados “em clara violação do Direito Internacional e dos esforços pela segurança regional no Golfo”.

“Portugal apela à contenção de todas as partes envolvidas e insta ao diálogo como forma de reduzir as tensões na região”, lê-se na nota.

Esta segunda-feira, os mercados acordaram com uma subida de 20% do preço do petróleo depois de se saber que as instalações da Aramco, a petrolífera estatal da Arábia Saudita, foi severamente afetada por um ataque de drones levado a cabo por um grupo de Houthis, do Iémen, e que são pró-Irão.

O ataque prejudicou a produção do maior produtor de crude do mundo que viu a sua capacidade produtiva cair de 9,8 milhões barris por dia para 4,1 milhões, o que representa uma quebra de 5% da oferta de “ouro negro” a nível mundial.

Ao longo do dia, o preço do “ouro negro” diminui, mas ainda em clara alta. Às 15h20, horas portuguesas, o Brent, referência mundial, subia 10,40%, para 66,48 dólares, enquanto o West Texas Intermediate, referência para o mercado norte-americano, avançava 9,74%, para 60,14 dólares.

 

Subida dos preços de petróleo: “Não vai haver nenhuma tragédia nos preços dos combustíveis em Portugal”

Ler mais

Relacionadas

Subida dos preços de petróleo: “Não vai haver nenhuma tragédia nos preços dos combustíveis em Portugal”

As petrolíferas em Portugal rejeitam aumentos significativos do preço do combustível nas bombas devido à subida do petróleo nos mercados internacionais, em consequência do ataque a instalações petrolíferas na Arábia Saudita. Uma subida de 10% do preço de petróleo nos mercados internacionais esta semana, teria um impacto de 2% nos preços dos combustíveis em Portugal na próxima semana, segundo contas da Apetro.

Petróleo regista a maior subida desde a Guerra do Golfo em 1991 depois de ataques à Arábia Saudita

O preço do barril disparou mais de 19% no mercado, devido à redução da produção por parte do maior exportador mundial de petróleo.
Recomendadas

Falta de liquidez é o principal fator que leva cotadas a abandonar a bolsa portuguesa, diz a OCDE

A OCDE sublinha que, nas últimas duas décadas, o número de empresas cotadas na bolsa de valores portuguesa diminuiu em dois terços, de 148 para 55, resultado de uma queda no número de novas listagens e um grande número de empresas que deixaram o mercado de ações através de cancelamentos de registo.

Juros da dívida portuguesa sobem a dois, a cinco e a 10 anos

Cerca das 08:30 em Lisboa, os juros a 10 anos avançavam para 0,582%, contra 0,571% na quarta-feira, depois de terem subido até 1,441% em 18 de março.

Bolsa portuguesa acompanha Europa em queda. BCP pressiona PSI 20

Após três sessões consecutivas de ganhos, o principal índice bolsista português (PSI 20) perde  0,86%, para 4.595,97 pontos, em linha com as principais congéneres europeia.
Comentários