Portugal cresce acima da zona euro que estabilizou no terceiro trimestre

A contribuir para esta evolução esteve o aumento de 0,5% do consumo das famílias na zona euro e na União Europeia a 28, enquanto o investimento avançou 0,3%, uma queda abrupta após ter aumentado 5,7% na zona euro e 4,3% na UE28 no trimestre anterior.

A economia da zona euro cresceu 1,2%, em termos homólogos, no terceiro trimestre, com Portugal a continuar a registar uma expansão acima da média dos 19 países da moeda única, segundo dados do Eurostat, publicados esta quinta-feira.

Os dados do organismo de estatística revelam ainda que o PIB da União Europeia a 28 desacelerou para 1,4%, menos uma décima do que no trimestre anterior.

O Eurostat, que confirma a estimativa divulgada em novembro, revela que em cadeia, a economia da zona euro estabilizou nos 0,2% entre julho e setembro, enquanto nos 28 países da União Europeia cresceu 0,3%, menos uma décima do que no anterior trimestre.

Portugal continua a crescer acima da média europeia, com uma expansão do PIB de 1,9% em termos homólogos e 0,3% em cadeia. Mas, foi a Polónia, a Hungria e a Estónia que lideraram o crescimento em termos homólogos, ao registar 1,3%, 1,1% e 1%.

A contribuir para esta evolução esteve o aumento de 0,5% do consumo das famílias na zona euro e na União Europeia a 28, enquanto o investimento avançou 0,3%, uma queda abrupta após ter aumentado 5,7% na zona euro e 4,3% na UE28 no trimestre anterior.

Já as exportações aumentaram 0,4% na zona euro, duas décimas acima do que anteriormente, enquanto a média da UE28 recuperou para 1%. Por outro lado, as importações cresceram 0,6% na zona euro, abaixo dos 2,8% do trimestre anterior.

Ler mais

Recomendadas

Corrupção: Angola melhora no ‘ranking’ da Transparência, “mas tem de fazer mais”

A organização não-governamental atribuiu 26 pontos a Angola, face aos 19 pontos de 2018, o que permitiu uma subida para o 146º lugar no ranking, do 165º no relatório anterior. Alertou, no entanto, que apesar de o país ter recuperado cinco mil milhões de dólares em ativos roubados, mais tem de ser feito para dar transparência nas contas do petróleo.

Governo avalia fim do fator de sustentabilidade para desempregados de longa duração

“Queria deixar nota que, relativamente aos desempregados de longa duração, somos também sensíveis a essa reivindicação e estamos a ponderar, a avaliar, a forma de concretizá-la, indo no mesmo sentido das profissões de desgaste rápido”, anunciou o secretário de Estado da Segurança Social.

Reabilitação urbana fechou 2019 com uma quebra de 1,8%

Esta é a primeira variação negativa registada nos últimos 27 meses, ou seja, desde setembro de 2017, destaca a AICCOPN.
Comentários