Portugal cresce acima da zona euro que estabilizou no terceiro trimestre

A contribuir para esta evolução esteve o aumento de 0,5% do consumo das famílias na zona euro e na União Europeia a 28, enquanto o investimento avançou 0,3%, uma queda abrupta após ter aumentado 5,7% na zona euro e 4,3% na UE28 no trimestre anterior.

A economia da zona euro cresceu 1,2%, em termos homólogos, no terceiro trimestre, com Portugal a continuar a registar uma expansão acima da média dos 19 países da moeda única, segundo dados do Eurostat, publicados esta quinta-feira.

Os dados do organismo de estatística revelam ainda que o PIB da União Europeia a 28 desacelerou para 1,4%, menos uma décima do que no trimestre anterior.

O Eurostat, que confirma a estimativa divulgada em novembro, revela que em cadeia, a economia da zona euro estabilizou nos 0,2% entre julho e setembro, enquanto nos 28 países da União Europeia cresceu 0,3%, menos uma décima do que no anterior trimestre.

Portugal continua a crescer acima da média europeia, com uma expansão do PIB de 1,9% em termos homólogos e 0,3% em cadeia. Mas, foi a Polónia, a Hungria e a Estónia que lideraram o crescimento em termos homólogos, ao registar 1,3%, 1,1% e 1%.

A contribuir para esta evolução esteve o aumento de 0,5% do consumo das famílias na zona euro e na União Europeia a 28, enquanto o investimento avançou 0,3%, uma queda abrupta após ter aumentado 5,7% na zona euro e 4,3% na UE28 no trimestre anterior.

Já as exportações aumentaram 0,4% na zona euro, duas décimas acima do que anteriormente, enquanto a média da UE28 recuperou para 1%. Por outro lado, as importações cresceram 0,6% na zona euro, abaixo dos 2,8% do trimestre anterior.

Ler mais

Recomendadas

Açores em números. Economia regional representa 2% do PIB de Portugal

Uma casa neste arquipélago vale menos 146 euros por metro quadrado do que a média nacional. Só o município de Ponta Delgada tem poder de compra per capita superior à média do país. Estes e outros indicadores estatísticos neste retrato da região autónoma.

Banco central baixa previsão sobre queda da economia brasileira para 5%

As novas estimativas estão em linha com as projeções de agentes do mercado consultados semanalmente pelo Banco Central, que prevê uma retração económica de 5,05% no PIB brasileiro em 2020. O Brasil ainda recupera de uma grave recessão entre os anos de 2015 e 2016, período em que o PIB caiu sete pontos percentuais.

Wall Street aguenta, mas perdeu fôlego ao longo do dia

Os principais índices do outro lado do Atlântico estiveram a subir, mas no final do dia acabaram por ceder. Mesmo assim, dizem os analistas, os investidores continuam a confiar em novos estímulos à economia.
Comentários