Portugal tem uma das taxas de inflação mais baixas da zona euro

Desde a crise financeira, os preços tiveram uma subida anual de 1,1% em Portugal. Mais baixo só a Grécia, Irlanda e Chipre, avança o expresso.

Em janeiro, segundo a estimativa rápida publicada pelo Eurostat esta semana, a inflação na zona Euro situou-se em 1,8%, o valor mais alto em quatro anos. O Banco Central Europeu (BCE) tem como objetivo ter uma inflação abaixo mas próxima de 2% e, desde 2013, que a taxa se mantém abaixo deste patamar.

Neste período de inflação baixa pós-crise financeira internacional, Portugal é um dos países com mais baixo ritmo de evolução dos preços. Entre 2009 e 2016, a taxa média ficou-se em 1,1%, igual à taxa registada na Letónia, e apenas ultrapassou três países da moeda única, todos eles alvo de resgate durante a crise da dívida na zona euro — Chipre (0,8%), Grécia (0,8%) e Irlanda (próxima de 0%).

A zona euro, no seu conjunto, teve uma taxa de inflação média anual de 1,3%. Os países que estão no fim da tabela no período pós-crise estiveram antes entre os que enfrentaram mais rápidas subidas dos preços. Portugal, por exemplo, teve uma taxa média de 2,7% enquanto Irlanda e Grécia ultrapassaram mesmo a barreira dos 3%.

A inflação é o driver do BCE para o seu programa de compra de activos que tem fornecido liquidez ao sistema. Mário Draghi tem dito que o objectivo é que o programa dure até que a inflação da zona euro fique cerca dos 2%.

Recomendadas

Ligações fluviais entre Barreiro e Lisboa não estão asseguradas na manhã e início da tarde deste sábado

Entre as 7h25 e as 14h55, no sentido entre o Barreiro e Lisboa, e entre as 7h55 e às 15h25, no sentido contrário, as ligações não estão asseguradas, estando os horários “sujeitos a confirmação”, diz Soflusa em comunicado.

Irão anuncia captura de petroleiro britânico

Esta situação acontece no mesmo dia em Gibraltar estendeu por trinta dias o período de retenção do petroleiro iraniano Grace 1, retido há quase duas semanas neste território por suspeitas transporte de crude para a Síria.

Azeredo Lopes sabia desde o início do “encobrimento”, diz despacho do MP sobre Tancos

Segundo o despacho do MP, os procuradores do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) sustentam que, em agosto de 2017, dois meses antes do “achamento”, Azeredo Lopes teve uma reunião no Ministério da Defesa com o ex-diretor da Polícia Judiciária Militar, Luís Vieira, na qual foi informado – e deu o aval – do plano para a recuperação do material.
Comentários