PremiumEduardo Catroga: “Portugal deve resistir à criação dos chamados campeões europeus”

O economista e ex-ministro das Finanças defende que Portugal deve atrair investimento de fora da Europa para poder manter empresas que tenham o seu “centro de comando” no nosso país.

Desde a queda do Muro de Berlim, houve uma expansão da globalização, acompanhada de uma expansão das democracias ao estilo ocidental. Esta crise que estamos a viver veio colocar um travão na globalização e pode ter sequelas ao nível da segurança internacional, da paz e também da democracia?
As tendências da globalização desenvolvem-se por ciclos, com períodos de incubação, desenvolvimento e de estagnação. Vivemos até 2008 uma onda gigante iniciada com a queda do muro de Berlim, com a entrada da China na economia global no início da década de 80 (aderindo a Organização Mundial de Comércio (OMC) em 2001) e com o desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação e no setor dos transportes. Após 2008 assistimos a um período de estagnação da globalização e nos últimos anos aos efeitos da guerra comercial EUA-China. Agora começa-se a falar em desgobalização, mas o processo irá continuar sob novas formas e os fluxos digitais globais são uma nova realidade. O mundo será cada vez mais multipolar. Estamos numa fase de tensões geopolíticas que precisa de ser ultrapassada através da cooperação internacional. No curto-prazo vão-se intensificar as tensões e as democracias estilo Ocidental estão a ser desafiadas e, nalguns casos, a ser questionadas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

PremiumCatroga: “Espuma mediática ilude e disfarça” responsabilidades na venda do Novo Banco

Polémica sobre venda de ativos do Novo Banco serve para “iludir e disfarçar eventuais responsabilidades” do Governo, BdP e Comissão Europeia, diz Eduardo Catroga. Mas em 2017 talvez não existisse alternativa, admite.
Recomendadas

Programa Edifícios Mais Sustentáveis: “uma oportunidade com algum risco”, alerta Deco

Há um novo apoio para quem quer fazer obras ou comprar equipamentos para melhorar a eficiência energética em casa. Com uma dotação de 4,5 milhões de euros para 2020 e 2021, Programa de Apoio a Edifícios mais Sustentáveis” já atingiu um milhão de euros em pagamentos em 521 candidaturas validadas. Mas o reembolso não é garantido, alerta a Deco.

AEP critica novas medidas de confinamento

A Associação Empresarial de Portugal diz que “estamos perante um combate com impactos cada vez mais assimétricos”, que só vai ser agravado “com o ónus de dispensar os seus trabalhadores nos dias 30 de novembro e 7 de dezembro”.

Covid-19: Federação intersindical alerta para perda de “muitos postos de trabalho” na informação médica

O aumento do recurso a meios digitais na visitação de hospitais por profissionais da indústria farmacêutica pode levar “à perda de muitos postos de trabalho”, alerta a Fiequimetal, numa reunião com a Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares (APAH), que, diz Federação Intersindical, partilha esta preocupação.
Comentários