PremiumEduardo Catroga: “Portugal deve resistir à criação dos chamados campeões europeus”

O economista e ex-ministro das Finanças defende que Portugal deve atrair investimento de fora da Europa para poder manter empresas que tenham o seu “centro de comando” no nosso país.

Desde a queda do Muro de Berlim, houve uma expansão da globalização, acompanhada de uma expansão das democracias ao estilo ocidental. Esta crise que estamos a viver veio colocar um travão na globalização e pode ter sequelas ao nível da segurança internacional, da paz e também da democracia?
As tendências da globalização desenvolvem-se por ciclos, com períodos de incubação, desenvolvimento e de estagnação. Vivemos até 2008 uma onda gigante iniciada com a queda do muro de Berlim, com a entrada da China na economia global no início da década de 80 (aderindo a Organização Mundial de Comércio (OMC) em 2001) e com o desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação e no setor dos transportes. Após 2008 assistimos a um período de estagnação da globalização e nos últimos anos aos efeitos da guerra comercial EUA-China. Agora começa-se a falar em desgobalização, mas o processo irá continuar sob novas formas e os fluxos digitais globais são uma nova realidade. O mundo será cada vez mais multipolar. Estamos numa fase de tensões geopolíticas que precisa de ser ultrapassada através da cooperação internacional. No curto-prazo vão-se intensificar as tensões e as democracias estilo Ocidental estão a ser desafiadas e, nalguns casos, a ser questionadas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

PremiumCatroga: “Espuma mediática ilude e disfarça” responsabilidades na venda do Novo Banco

Polémica sobre venda de ativos do Novo Banco serve para “iludir e disfarçar eventuais responsabilidades” do Governo, BdP e Comissão Europeia, diz Eduardo Catroga. Mas em 2017 talvez não existisse alternativa, admite.
Recomendadas

Governo estabelece horários mais flexíveis para estabelecimentos comerciais em Lisboa

“Nos territórios que estão em contingência, neste momento a Área Metropolitana de Lisboa, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa pode, de acordo com parecer das forças de segurança e da autoridade local de saúde, fazer alterações nos horários dos estabelecimentos comerciais”, esclareceu a governante.

Euribor sobem a três e a 12 meses e caem a seis meses

A taxa a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, recuou para -0,433%, menos 0,005 pontos que na quarta-feira, contra o atual máximo desde pelo menos janeiro de 2015, de -0,114%.

Valor dos fundos de investimento em Portugal aumenta 600 milhões no segundo trimestre

A subida assentou sobretudo numa valorização dos ativos. Particulares continuam a ser a maior fatia dos detentores destes títulos.
Comentários