Portugal discute “novas linhas de colaboração” na ciência e ensino superior com Reino Unido

Manuel Heitor falava na abertura do LUSO 2020, o encontro anual dos estudantes e investigadores portugueses no Reino Unido, organizado pela associação PARSUK, formada por estudantes e investigadores portugueses no Reino Unido.

O governo português está a preparar “novas linhas de colaboração” bilaterais nas áreas do ensino superior e investigação científica com o Reino Unido pós-Brexit, revelou hoje o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor.

Portugal, disse o ministro, “quer manter uma cooperação de muitas longas décadas com o Reino Unido e eu tenho nas últimas semanas reunido [por videoconferência] com a nova ministra inglesa da Ciência e das Universidades [Michelle Donelan] para lançarmos novas linhas de colaboração para além de aquilo que é o contexto europeu”.

Manuel Heitor falava na abertura do LUSO 2020, o encontro anual dos estudantes e investigadores portugueses no Reino Unido, organizado pela associação PARSUK, formada por estudantes e investigadores portugueses no Reino Unido.

O tema desta 13.ª edição do LUSO, que decorreu por videoconferência devido às restrições relacionadas com a pandemia covid-19, foi “Longe da Vista, mas Perto em Colaboração”, no sentido de debater o futuro das colaborações entre os dois países no contexto pós-pandemia e pós-Brexit.

Relativamente à saída do Reino Unido da União Europeia, formalizada em 31 de janeiro, e às negociações sobre as relações futuras, Manuel Heitor reiterou a posição de Portugal de manter uma colaboração próxima com os britânicos na área da ciência.

“Está ainda discussão o futuro do programa quadro europeu de investigação e inovação [HORIZON 2021-2027], que tem sido a principal alavanca para a cooperação entre ingleses e toda a Europa. A posição de Portugal tem sido clara a favor de manter essa relação, à semelhança de outros países externos que colaboram com a Europa, nomeadamente a Suíça e a Noruega”, adiantou.

O vice-presidente da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, José Paulo Esperança, defendeu que o ‘Brexit’ pode oferecer oportunidades para Portugal em termos de parcerias entre universidades portuguesas e britânicas.

“Muitas universidades estão começar em fazer investimentos diretos e a abrir campus fora do território inglês. O modelo de ‘joint-ventures’ com universidades de outros países é uma área onde seria interessante ter uma parceria entre Reino Unido e Portugal”, sugeriu.

Segundo dados da Unesco, o Reino Unido é atualmente o principal destino dos estudantes portugueses que vão para o estrangeiro, cerca de 26,2% do total, correspondente a 3681 estudantes

Todavia, esta relação não é recíproca ao mesmo nível, já que o número de britânicos representa menos de 1% dos estudantes estrangeiros nas universidades portuguesas.

“Sempre tivemos dificuldade em captar alunos do Reino Unido, sobretudo no modelo Erasmus”, admitiu Esperança.

Durante o evento foram anunciados os cinco projetos vencedores de bolsas de investigação para promover a mobilidade entre Portugal e o Reino Unido no âmbito de um protocolo assinado no ano passado entre a PARSUK e a FCT.

No encerramento, o embaixador de Portugal no Reino Unido, Manuel Lobo Antunes, reiterou a importância de uma cooperação científica entre os dois países e pós-Brexit, mas sobretudo pós-pandemia covid-19, tendo em conta a importância de universidades britânicas no desenvolvimento de modelos matemáticos e projetos de vacinas.

“Isto mostra, como se necessário fosse, o lugar importantíssimo que o Reino Unido tem nestas áreas e naturalmente que nós temos todo o interesse em manter esta colaboração e aprender e recolher informação”, disse.

Ler mais
Recomendadas

Ministro da Educação anuncia 125 milhões para reforçar recursos humanos das escolas

Tiago Brandão Rodrigues anunciou, esta terça-feira à tarde, no Parlamento verba para reforçar as escolas com docentes e não docentes e técnicos superiores, como psicólogos.

PremiumCatólica Porto Business School quer elevar qualidade da gestão no país

Rui Soucasaux Sousa diz ao JE que escola de negócios, que vai liderar até 2023, quer ter papel-chave na melhoria da gestão das empresas. No curto prazo, é desafio a mobilidade internacional, dificultada pela pandemia.

Médias dos alunos do secundário estão mais altas. Veja aqui o ranking das escolas

Dois colégios privados, um do Porto, outro de Braga surgem à cabeça dos que mais se distinguiram-se nos exames de 2019. As primeiras escolas públicas são a Infanta D. Maria, em Coimbra e Básica e Secundária Dr. Serafim Leite, em São João da Madeira. Filosofia ficou em terreno negativo.
Comentários