Portugal é dos países com maiores desigualdades para os idosos, diz OCDE

No relatório sobre o sistema de pensões em Portugal, divulgado esta quarta-feira, a OCDE reconhece que a pobreza e a desigualdade caíram em Portugal na última década. No entanto, assinalam que Portugal situa-se acima da média dos países da OCDE.

Portugal continua a ser um dos países europeus mais desiguais, não apenas para a população em geral, mas em particular para os idosos. A conclusão é da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), no relatório sobre o sistema de pensões em Portugal, divulgado esta quarta-feira.

Apesar de reconhecer que a pobreza e a desigualdade caíram em Portugal na última década, a instituição liderada por Ángel Gurría realça que a crise económica interrompeu o ritmo iniciado anteriormente.

“Apesar do progresso inegável feito no início deste século, uma parcela significativa da população idosa ainda está em risco de pobreza e as futuras gerações de idosos podem enfrentar maior desigualdade”, refere o relatório.

A OCDE realça as conclusões da Comissão Europeia de que, “apesar de uma melhoria da adequação do rendimento de reforma entre 2008 e 2016, o sistema de pensões não garante uma proteção adequada para todos os idosos contra a pobreza e a exclusão social”.

“As melhorias são tanto mais necessárias quanto o ritmo de envelhecimento será rápido em Portugal, com projeções demográficas apontando para um tamanho populacional decrescente acentuadamente total, apesar de um número crescente de reformados”, refere. “Isso pode criar desequilíbrios no financiamento de pensões e, em última instância, exercer pressão descendente sobre os rendimentos das reformas”.

Fonte: OCDE, Reviews of Pension Systems: Portugal

 

Ler mais
Recomendadas

Partidos gastam quase 5 milhões de euros com as eleições europeias

Trata-se de um aumento de mais de 500 mil euros face aos 16 partidos e coligações que se apresentaram na corrida em 2014

CFP vai ao parlamento falar sobre Programa de Estabilidade 2019-2023

Nazaré Costa Cabral vai esta terça-feira à Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa falar sobre o Programa de Estabilidade 2019-2023, que o Governo apresentou em 15 de abril.

Portugueses estão a pedir mais empréstimos para pagar contas. Pedem em média 2.239 euros

Para pagar as suas contas, os portugueses estão a aumentar os empréstimos. Nos últimos seis meses pediram 2.239 euros, mais 400 euros face ao período homólogo. Estudo da Intrum conclui, tal como o Banco de Portugal, que o aumento foi suportado pelo crescimento dos créditos pessoais sem fins específicos.
Comentários