Portugal e Marrocos chegam a acordo para reforçar migração legal entre os dois países

Os dois representantes chegaram a acordo sobre a necessidade de “reforçar e intensificar a cooperação no domínio da prevenção e combate à migração irregular e ao tráfico de seres humanos”. Desde dezembro, já desembarcaram 69 migrantes ilegais na região algarvia.

Cristina Bernardo

Portugal e Marrocos pretendem concluir as negociações para reforçar e intensificar a cooperação entre os dois países para impedir a chegada de migrantes ilegais, ao Algarve, como se tem verificado nos últimos oito meses.

Durante esse período, a Polícia Marítima e a GNR intercetaram a chegada de 69 migrantes ilegais a Portugal provenientes do Norte de África. Estes desembarques no Algarve foram o tema que marcou a agenda numa reunião, esta quarta-feira, entre o ministro da Administração Interna Eduardo Cabrita e o ministro do Interior marroquino Abdelouafi Laftit.

De acordo com a nota divulgada, os dois representantes chegaram a acordo sobre a necessidade de “reforçar e intensificar a cooperação no domínio da prevenção e combate à migração irregular e ao tráfico de seres humanos” através de uma articulação entre o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e o seu homólogo marroquino.

“Nesse sentido, foi também discutida a importância e o interesse mútuo na conclusão das negociações que estão a decorrer para um acordo de migração legal entre Portugal e Marrocos”, lê-se no comunicado.

O Algarve tem sido procurado por migrantes ilegais como porta de entrada para a Europa, tendência que se tem acentuado no últimos meses. Milhares de migrantes têm utilizado nos últimos anos as três principais rotas do Mar Mediterrâneo (Oriental, Central e Ocidental) para chegar ao continente europeu, pressionando principalmente os países do sul da União Europeia como Espanha, Itália e Grécia e agora, mais recentemente, Portugal.

Recomendadas

Marcelo e Costa felicitam Durão Barroso pela nomeação para presidente da Aliança Global para as Vacinas

Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que Durão Barroso é “mais um Português num cargo internacional particularmente relevante no atual contexto de pandemia coronavírus” e António Costa refere a importância da nomeação “num momento em que esta organização, que Portugal apoia, deverá ter um papel relevante na disponibilização de vacinas”.

Conselho de Estado considera UE uma “mais-valia” para Portugal num contexto “tão complexo e difícil”

Em reunião com a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, os conselheiros do Estado defenderam o uso de todos os mecanismos para uma “recuperação sustentável e transformadora” e o reforço da participação cívica nas instituições europeias.

“É necessário alterar as atuais políticas agrícolas e comerciais”, diz João Ferreira na cimeira da ONU sobre biodiversidade

Para o candidato à Presidência da República, são precisas “medidas e mudanças concretas se o que queremos são resultados positivos também concretos, em vez de pias proclamações e da repetida constatação, cimeira após cimeira, do avanço da perda de biodiversidade”.
Comentários