Portugal é o país europeu que mais dinheiro recebe dos seus emigrantes

Portugal é o que país que mais dinheiro recebe, enquanto França é o país de onde sai mais dinheiro para outros países.

Portugal foi o país da União Europeia que mais dinheiro recebeu dos seus emigrantes no ano passado. As remessas de emigrantes atingira os 3.071 milhões de euros em 2018.

No ranking de países que mais dinheiro recebeu dos seus trabalhadores a viver no estrangeiro, segue-se a Roménia (2.714 milhões de euros) e a Polónia (2.544 milhões).

Pelo contrário, os países com maior número imigrantes na Europa são os que registam uma maior saída de dinheiro nestas transferências pessoais. França lidera a lista com a transferência de 11,4 mil milhões de euros, seguida de Espanha (7,7 mil milhões), Reino Unido (7 mil milhões), Itália (6,5 mil milhões) e Alemanha (5,2 mil milhões).

Analisando as entradas e saídas de dinheiro, Portugal regista o maior superávit na Europa (3,1 mil milhões), seguida da Roménia (2,7 mil milhões) e da Polónia (2,5 mil milhões). Já os maiores défices registam-se em França (-10,5 mil milhões), Reino Unido (-4,7 mil milhões) e Itália (-4,5 mil milhões).

Portugal encontra-se também entre os países onde os imigrantes a residir no país mais enviaram dinheiro para fora da União Europeia, com estes ranking a ser liderado pela Eslovénia (88%), Bélgica (85%), Itáli e Polónia (83%), Holanda e Portugal (82%).

No total existem 2,6 milhões de emigrantes portugueses em todo o mundo, segundo dados das Nações Unidas compilados pelo Observatório da Emigração. A maioria (1,493 milhões) encontram-se na Europa, seguido da América do Norte (802 mil), América Latina e Caraíbas (249 mil), África (62 mil), Oceânia (20 mil) e Ásia (4.182).

As transferências pessoais da União Europeia para outras regiões globais tiveram como destino a Ásia (21%), África do Norte (18%), países europeus fora da UE (16%), África central e do sul (14%) e América do Sul (13%).

França é o país que conta com mais emigrantes portugueses, com um total de 1,258 milhões de pessoas, segundo dados do Observatório da Emigração relativos a 2017. Segue-se o Brasil (687 mil), a Suíça (325 mil), o Reino Unido (244 mil), os Estados Unidos (201 mil), a Alemanha (148 mil) e o Luxemburgo (113 mil).

França foi o país com maior remessa de emigrantes portugueses em 2018: 1.133 milhões de euros, segundo dados do Banco de Portugal, compilados pela Pordata. Segue-se a Suíça (899 milhões) e o Reino Unido (343 milhões).

Países com mais emigrantes portugueses: 

1 – França – 1,258 milhões

2 – Brasil – 687 mil

3 – Suíça – 325 mil

4 – Reino Unido – 244 mil

5 – Estados Unidos – 201 mil

6 – Venezuela – 181 mil

7 – Alemanha – 148 mil

8 – Canadá – 135 mil

9 – Luxemburgo 113 mil

10 – Angola – 97 mil

11 – Espanha – 77 mil

12 – Bélgica – 57 mil

13 – Moçambique – 30 mil

14 – Holanda – 25 mil

Fonte: Observatório da Emigração

Países de origem das remessas dos emigrantes portugueses:

1 – França – 1.133 milhões de euros

2 –  Suíça – 899,5 milhões

3 – Reino Unido – 343,9 milhões

4 – Estados Unidos da América – 254,4 milhões

5 – Alemanha -242,5 milhões

6 – Angola – 223 milhões

7 – Espanha – 121,5 milhões

8 – Luxemburgo – 111,9 milhões

9 – Bélgica – 58,6 milhões

10 – Holanda – 44,4 milhões

11 – África do Sul – 42 milhões

12 – Canadá – 21,5 milhões

13 – Brasil – 19,2 milhões

14 – Itália – 3,9 milhões

Fonte: Banco de Portugal, a partir da Pordata

 

Ler mais

Recomendadas

PremiumO paradoxo dos países que ficam mais ricos

A agricultura tem desafio de captar e reter trabalhadores, mas também de os proteger.

“Resposta orçamental europeia foi demasiado modesta, durante a pandemia e agora”

Miguel Faria e Castro, economista no Banco da Reserva Federal de St. Louis, considera que a resposta europeia à crise pandémica foi comparativamente insuficiente e que nem mesmo o apoio social foi mais forte do que o prestado nos Estados Unidos. E defende que esta diferença vai pesar no momento da recuperação das economias.

Menos de 2% das famílias numerosas pediram redução do IVA da eletricidade

Mais de um mês depois da entrada em vigor da redução adicional da taxa de IVA de 13% para as famílias numerosas, há menos de 2500 pedidos submetidos. A Deco reclama que o processo deve ser automático.
Comentários