Portugal emite 1,5 mil milhões de euros em dívida a curto prazo com taxas mais negativas

Portugal tem renovado mínimos nos custos de financiamento e a tendência voltou a verificar-se no leilão de dívida a seis e 12 meses desta quarta-feira.

Cristina Bernardo

O IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública emitiu esta quarta-feira 1.5000 milhões de euros, o montante máximo pretendido, num leilão em dívida a seis e 12 meses, com taxas mais negativa face ao leilão de maio.

Portugal pagou -0,431% para emitir mil milhões de euros a 12 meses, que compara com os -0,370% para o mesmo montante, registados em maio. A procura superou a oferta em 1,64 vezes.

O Tesouro pagou -0,454% para emitir 500 milhões de euros a seis meses, registando uma taxa de alocação mais negativa do que os -0,370% do último leilão nesta maturidades. A oferta superou a procura em 1,94 vezes.

A instituição liderada por Cristina Casalinho tinha estabelecido um montante indicativo de 1.250 milhões a 1.500 milhões de euros.

“Voltamos a estabelecer um mínimo histórico em ambos os leilões, numa altura em que temos assistido a descidas globalizadas em toda a dívida soberana Europeia”, destaca Filipe Silva, diretor de gestão de ativos do Banco Carregosa.

Filipe Silva sublinha que no último discurso, o presidente do BCE, Mario Draghi, reiterou que as taxas iriam manter-se nos níveis atuais pelo menos até ao primeiro trimestre de 2020, o que está a ter impacto no financiamento do Estado português.

“O BCE ainda continua a desempenhar um papel muito importante no mercado de dívida tendo sido o responsável pelos níveis atuais de taxas de juro e para já esta intervenção será para continuar”, acrescenta o responsável do Banco Carregosa.

(Atualizado às 11h41)

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha em alta com aumento da confiança dos consumidores

No fecho da sessão, desta quarta-feira, o S&P 500 cresce 1,13%, para 2,931.38 pontos, o tecnológico Nasdaq valoriza 1,14%, para 7,755.25 pontos e o industrial Dow Jones sobe 1,22%, para 26,248.0 pontos.

Bolsas da Europa animadas e Lisboa acompanha com subida da Mota, Galp e Navigator

Os mercados europeus fecharam em alta, após um início mais prudente. “Os catalisadores desta subida foram a subida das yields e as expetativas dos investidores em relação à situação política italiana”, diz o BPI.

Wall Street abre em alta à espera das minutas da Fed

Dois exemplos de títulos em destaque na praça nova-iorquina são os da empresa de materiais de Lowe’s Companies Inc, que disparam 11,28%, para 108,91 dólares, e os da cadeia de retalho Target Corporation, que disparam 18,52%, para 101,35 dólares.
Comentários