Portugal emite 750 milhões de euros em dívida a 15 anos a taxas mais baixas

No primeiro leilão após as eleições legislativas e a subida de ‘rating’ pela DBRS, Portugal pagou menos para emitir Obrigações do Tesouro a 15 anos face ao leilão de setembro.

O IGCP – Agência de Gestão de Tesouraria e Dívida Pública emitiu esta quarta-feira 750 milhões de euros em Obrigações do Tesouro (OT) a 15 anos, tendo pago uma taxa de alocação de 0,49%.

Seguindo a tendência dos últimos meses, Portugal pagou assim menos do que no último leilão comparável, a 11 de setembro, quando a entidade liderada por Cristina Casalinho emitiu 400 milhões de euros em OT a 15 anos, com uma taxa de juros de 0,676%.

A emissão de dívida de longo prazo tem lugar três dias depois das eleições, cujo resultado foi bem recebido pelos mercados, que encararam a vitória do PS como um cenário de continuidade, e da subida de ‘rating’ pela DBRS, na última sexta-feira. Ocorre ainda a poucos dias de Portugal pagar o reembolso antecipado de dois mil milhões de euros ao Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) pelos empréstimos concedidos durante a ‘troika’, segundo o secretário de Estado Adjunto e das Finanças, à agência Lusa.

O governante português indicou que a data para o pagamento antecipado ainda não está fechada, mas é certo que será “já em outubro”, devendo ocorrer entre os dias 15 e 17 e que este pagamento antecipado irá permitir uma poupança em juros acumulada da ordem dos 120 milhões de euros.

No mercado secundário, os juros da dívida portuguesa a 10 anos negociam esta quarta-feira nos 0,12%.

Para o último trimestre do ano, o Tesouro não indica quantas emissões de OT prevê nem a data, tendo apenas agendado apenas um leilão de Bilhetes do Tesouro, segundo o plano de financiamento.

Ler mais

Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

“Queremos estar na linha da frente para relançar a economia nacional”, assegura vice-presidente da IP

Segundo os dados mais recentes fornecidos pela gestora da rede ferroviária nacional ao Jornal Económico, 63% das obras previstas no pano Ferrovia 2020 estão em andamento ou já foram finalizadas, um aumento face aos 52% neste estado que se verificavam em fevereiro deste ano. Estão mais de 800 milhões de euros em obra.

CGTP considera que apoios às empresas e famílias negligenciam “questões essenciais”

“A procura interna e o consumo das famílias, não só no atual período, como na fase que se vai seguir, serão determinantes para relançar a economia, promover emprego e assegurar que os bens e serviços das empresas são vendidos”, sustenta a intersindical.
Comentários