Portugal emite mil milhões de euros em dívida a curto prazo à taxa mais negativa de sempre

Portugal fixou um novo mínimo histórico nas taxas de emissão de dívida a curto prazo. Na maturidade a 11 meses o Tesouro pagou -0,557% e a três meses -0,563%.

O IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e Dívida Pública emitiu esta quarta-feira mil milhões de euros em dívida a três e onze meses com taxas mais baixas face ao último leilão em junho e tocou um novo mínimo. A instituição liderada por Cristina Casalinho tinha estabelecido um montante indicativo de mil e 1.250 milhões de euros.

Na maturidade a 11 meses, o IGCP emitiu 750 milhões de euros, tendo pago uma taxa média ponderada de -0,557%, o que compara com -0,395%% num leilão a 19 de junho. Portugal pagou assim taxa mais negativa de sempre nesta maturidade, tendo a procura superado a oferta em 2,05 vezes, superior ao leilão anterior (3,10 vezes).

Nos Bilhetes do Tesouro (BT) a três meses, o montante colocado foi de 250 milhões, com uma yield de -0,563%, face a -0,425% na emissão em junho. Também nesta maturidade bateu o recorde mínimo de -0,426% estabelecido numa venda em outubro de 2018. Em termos de procura, nesta maturidade superou a oferta em 4,36 vezes, que compara com os 1,71 registados no último leilão.

Portugal tem renovado mínimos nas taxas de juros nos últimos leilões e no mercado secundário os juros da dívida portuguesa tem mantido uma trajetória de queda, beneficiando da confiança dos investidores e da política do Banco Central Europeu.

“Os receios de uma possível recessão e um discurso mais cauteloso por parte dos bancos centrais tem levado os prémios de risco da dívida soberana mundial para mínimos sem precedentes. A possibilidade de termos novas medidas de estimulo para as economias, para fomentarem o crescimento e inflação, continuam a suportar esta tendência”, sublinha Filipe Silva, diretor de gestão de ativos do Banco Carregosa.

“No mundo já temos mais de 16 triliões de dívida com yields abaixo de zero e Portugal não foge à regra uma vez que já tem yields negativas para maturidades até os 8 anos. O cenário atual tem vindo a ser muito benéfico para Portugal pois tem vindo a permitir reduzir o custo médio da nossa dívida”, acrescenta.

(Atualizado às 11h04)

Apetite dos investidores pela dívida portuguesa não deverá tirar férias

Ler mais

Relacionadas

Apetite dos investidores pela dívida portuguesa não deverá tirar férias

Esta quarta-feira, o IGCP realiza um leilão duplo de Bilhetes do Tesouro, num mês em que “há menos” liquidez nos mercados. Segundo o diretor de gestão de ativos do Banco Carregosa, Filipe Silva, “apesar de estarmos em agosto” não irá ter qualquer efeito na ida de Portugal aos mercados.
Recomendadas

Agência do Ambiente deverá dar hoje ‘luz verde’ ao aeroporto do Montijo

O Governo tem estado a apostar as fichas todas na viabilização ambiental deste projeto, mas não se sabe qual será o impacto das queixas já apresentadas na justiça portuguesa e comunitária para impedir o avanço deste empreendimento.

Reutilização de recursos em queda. Economia mundial é apenas 8,6% circular

A quantidade total de recursos que entra na economia global aumentou 8,4% em apenas dois anos. De acordo com o novo relatório da organização Circle Economy, que será apresentado em Davos, o consumo mundial de novos recursos traduz-se em 100 mil milhões de toneladas, um novo máximo histórico.

Emprego com remuneração insuficiente afeta quase 500 milhões de pessoas

Quase 500 milhões de pessoas no mundo trabalham menos horas pagas do que gostariam ou não têm acesso a um emprego suficientemente remunerado, de acordo com um relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgado hoje.
Comentários