Portugal foi o quarto país da zona euro que mais aumentou o peso da dívida pública no terceiro trimestre

O rácio da dívida pública na zona euro subiu para 97,3% do PIB no terceiro trimestre do ano passado. Portugal continua a ocupar o terceiro lugar do ranking de países com o maior peso de dívida pública e em comparação com o segundo trimestre foi dos que registou a maior subida.

O peso da dívida pública aumentou para 97,3% do PIB na zona euro e 89,8% do PIB nos países da União Europeia no terceiro trimestre do ano passado, com Portugal a manter o terceiro lugar nos países com o maior rácio de dívida pública face ao PIB, segundo os dados do Eurostat, publicados esta quinta-feira.

O rácio da dívida pública de Portugal face ao PIB subiu para 130,8% no terceiro trimestre, mais 4,8 pontos percentuais (p.p.) do que no segundo trimestre, colocando Portugal como o quarto país com a maior subida face ao segundo trimestre.

No segundo trimestre do ano passado, a dívida pública tinha aumentado para 95,1% do PIB na zona euro e 87,8% na União Europeia, devido às necessidades de financiamento das medidas de combate à pandemia, mas a trajetória de subida não abrandou no terceiro trimestre.

Em comparação com o segundo trimestre, 20 países registaram um aumento do rácio da dívida pública face ao PIB no final do terceiro trimestre e cinco uma diminuição, enquanto o rácio se manteve estável na Estónia e na Holanda.

Em comparação com o terceiro trimestre de 2019, todos os Estados-membros registaram um aumento do peso da dívida pública, com os maiores aumentos a terem lugar no Chipre (subida de 22,9 p.p.), Itália (+17,4 p.p.) e Grécia (+17,3 p.p.), enquanto Portugal teve uma subida de 11,3 p.p..

Os rácios mais elevados da dívida pública em relação ao PIB registaram-se na Grécia (199,9%) e Itália (154,2), seguidos por Portugal e Chipre (119,5%). A Estónia e a Bulgária registaram o menor rácio, com 18,5% e 25,3%, respetivamente.

Ler mais

Recomendadas

Portugal promove “soluções para impacto assimétrico da crise”, garante ministro das Finanças

“Chegámos a um acordo sem precedentes que permite a emissão de dívida europeia em larga escala para financiar a recuperação economia europeia através dos programas de recuperação europeus”, referiu João Leão depois da reunião do G20.

Lei que acelera levantamento das penhoras entra em vigor amanhã

Na origem desta lei, publicada esta sexta-feira, está uma proposta do Governo – alvo de várias alterações durante a discussão na especialidade, no parlamento – de alteração a diversos códigos fiscais.

Nazaré da Costa Cabral: “Existe uma grande incerteza quanto ao desempenho da economia em 2021”

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, diz que a situação da economia portuguesa é “complexa”, estando dependente da evolução da pandemia e da capacidade de recuperar da “má imagem” internacional para voltar a conquistar turistas.
Comentários