Portugal-França: sucesso estreita relações comerciais

A 25.ª edição dos Troféus Luso-Franceses galardoou a Novadelta (Inovação e Desenvolvimento Sustentável), Lauak Portugal (Investimento), Domingos Diniz & Filhos (PME e Exportação) e Luxury Clovers (Startup). O Troféu do Júri foi entregue à Extruplás.

Os Troféus da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Francesa (CCILF) comemoraram este ano um quarto de século, numa edição “em que foram excedidas as melhores previsões em termos de números de candidaturas e de dossiês para os diferentes troféus”, salientou a organização. A este reflexo do sucesso em que se traduz esta iniciativa, Carlos Aguiar, presidente da CCILF, no jantar de gala desta iniciativa, no Sud Lisboa, juntou ainda o facto de ter sido batido o recorde de presenças no jantar anual e sublinhou que, nesta iniciativa, “continua a afirmar-se uma grande diversidade de empresas candidatas, quer geográfica, quer de dimensão e de volume de negócios, quer de objeto”.

Ainda sobre esta edição, Carlos Aguiar não deixou de salientar a estreia do Troféu Startups, criado por ser “muito atual, no país que vai brevemente acolher a terceira edição da Web Summit e onde, entre muitos outros, jovens empresários franceses e portugueses criam e trabalham, no digital e nas novas fronteiras da Inteligência Artificial”. Agradecendo a todos os envolvidos, quer participantes, quer patrocinadores, o presidente da CCILF deixou uma palavra especial ao júri do concurso, garantindo que o grupo “trabalhou afincada e desinteressadamente”, recordando que “se discutiu animadamente, não houve unanimidades nas escolhas de finalistas e de vencedores, mas no fim os resultados das votações, ainda que com algumas caras dececionadas pelo caminho, foram muito bem aceites por todos”.

Por último, ficou o compromisso de que a Câmara, “como bilateral e de utilidade pública que é, continuará sempre a empenhar-se não só na afirmação de Portugal junto das comunidades francesas e de luso-descendentes, aqui ou em França, mas, dentro das nossas capacidades, porque é também a nossa missão, dar a conhecer esse magnífico país que é a França junto de potenciais investidores e de agentes económicos portugueses”, concluiu Carlos Aguiar.

 

Sucesso e esforço reconhecidos

A entrega de prémios realizou-se recentemente durante um jantar de gala no Sud Lisboa, onde estiveram presentes o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, o embaixador de França em Portugal, Jean Michel Casa, e o embaixador de Portugal em França, Jorge Torres Pereira.

O primeiro Troféu a ser entregue foi o da Inovação, conquistado pela Novadelta. A empresa responsável pela torrefação, empacotamento e comercialização de café da marca Delta Cafés destaca-se pela criação do RISE System, um inovador sistema tecnológico que permite extrair café a partir da base, onde o fluxo é diretamente injetado pelo fundo do copo, não havendo queda de café. Trata-se de uma mudança completa de paradigma e quebra as barreiras tradicionais de “tirar um café”. O sistema RISE corporiza os objetivos de inovação do Grupo Nabeiro, criando valor para a empresa e o mercado.

A Novadelta arrecadou também o segundo galardão da noite, na categoria Desenvolvimento Sustentável. Esta visão está intimamente ligada com a visão do fundador da Delta, Rui Nabeiro, estando atualmente disseminada no ADN da empresa, através da sua cultura organizacional.

Seguiu-se a entrega do Troféu Investimento à Lauak Portugal, que opera no setor da produção de componentes para a indústria aeronáutica. Esta empresa destacou-se pelo investimento na região do Alentejo Litoral e, sobretudo, do concelho de Grândola, com a implantação de uma unidade de produção do tipo Indústria 4.0; com as parcerias com os centros de formação IEFP e CENFIM para acolhimento de estagiários na Lauak Setúbal; e com o protocolo assinado entre com o Município de Grândola e o Instituto Politécnico de Setúbal para formação de técnicos superiores em produção aeronáutica e técnicos superiores para a área do turismo.

A Domingos Diniz & Filhos foi a vencedora do Troféu PME e do Troféu Exportação. Esta empresa que se dedica ao fabrico e venda de alçapões técnicos dá resposta a uma necessidade deste tipo de soluções que era praticamente inexistente. Criou a marca Revi-Clap®, que fabrica em Portugal e exporta para o mercado francês, entre outros mercados francófonos. A Domingos Diniz & Filhos está sediada em Vagos, no distrito de Aveiro, e está a celebrar o 20.º aniversário.

O Troféu Startup foi recebido pela Luxury Clovers, Lda., que se dedica à construção modular em estrutura de aço, desde abril de 2017. A Luxury Clovers, Lda. é uma empresa ainda jovem no mercado da construção, que se destaca pelo investimento numa arquitetura rigorosa, contemporânea, vanguardista, caracterizada pela inovação, pelo design do produto e pela qualidade dos materiais utilizados. Sediada na Póvoa de Lanhoso, produz exclusivamente para o mercado francês.

Por fim, o júri, composto por representantes da AICEP, IAPMEI, Conselheiros do Comércio Exterior, empresários, patrocinadores e parceiros do evento, distinguiu a Extruplás Lda. com o Troféu do Júri. Trata-se de uma empresa de referência, uma vez que recicla e recupera os plásticos mistos a partir dos quais produz mobiliário urbano, em plástico 100% reciclado, evitando assim que estes resíduos tenham como destino final o aterro. Atualmente, possui fábricas no Seixal (sede) e na Maia. No seu vasto portefólio destacam-se as mesas e bancos de jardim, passadiços e pavimentos, espreguiçadeiras e chapéus de sol, pontes, estruturas sobrelevadas. Estes artigos, em plástico 100% reciclado, evitam que sejam utilizados recursos naturais como a madeira.

Ler mais

Recomendadas

Ferro Rodrigues destaca papel dos parlamentos na recuperação europeia

O presidente da Assembleia da República destacou esta sexta-feira a urgência de pôr em marcha o Fundo de Recuperação europeu e realçou o papel dos parlamentos dos Estados-membros para a que verbas sejam desbloqueadas.

“É quase inevitável que o crédito malparado começe a aumentar novamente”, diz Dombrovskis

Vice-presidente da Comissão Europeia realça que o malparado diminuiu na banca portuguesa nos últimos anos. No entanto, admite que a crise provocada pela pandemia se irá traduzir num aumento quase “inevitável” do crédito malparado, destacando por isso o Plano de Ação de Bruxelas para combater os créditos improdutivos.

Recuperação da economia portuguesa não acompanhará ritmo da europeia

A recuperação da economia portuguesa após a crise pandémica “deverá acompanhar apenas temporalmente a recuperação europeia, mas não o seu ritmo”, segundo o relatório trimestral da consultora SaeR (Sociedade de Avaliação de Estratégia e Risco) divulgado esta sexta-feira.
Comentários