Portugal já garantiu mais 24 milhões de vacinas até 2023 caso sejam precisas mais do que duas doses

As preocupações com a eficácia dos fármacos até agora aprovados na UE contra as novas variantes mais contagiosas do coronavírus levaram à possibilidade de uma terceira dose da vacina, algo que o Infarmed alerta que carece ainda de dados.

Paulo Cunha/Lusa

Portugal tem já acauteladas 24 milhões de doses das vacinas da Pfizer e Moderna contra a Covid-19 para o caso de ser necessária uma terceira administração do fármaco em populações mais vulneráveis, informa um comunicado do Infarmed.

Estas dividem-se em três contratos, especifica o comunicado: dois deles preveem a entrega de 14 milhões de vacinas, enquanto que o terceiro é referente a 10 milhões de doses do consórcio Pfizer/BioNTech, com entrega prevista para 2023.

A nota da autoridade do medicamento nacional, em conjunto com o Ministério da Saúde, adianta ainda que as estruturas responsáveis pela saúde em Portugal se mantêm atentas aos “dados técnico-científicos” relativamente à possibilidade de serem necessárias doses adicionais da vacina.

No entanto, a comunicação ressalva que não existem, de momento, dados que permitam concluir se este reforço será necessário, pelo que se mantém o esquema vacinal aprovado pela Agência Europeia do Medicamento (EMA) para cada um dos fármacos aprovados para uso no espaço da União Europeia.

Esta possibilidade tem vindo a ser levantada, em parte, dada a menor eficácia que os fármacos parecem ter perante novas variantes do vírus, como a Delta, que se caracterizam pela maior transmissibilidade e contágio. No Brasil, arrancaram já ensaios clínicos para aferir a hipótese de de administrar uma terceira dose da vacina da AstraZeneca.

Recomendadas

CNE alerta que é proibido propaganda na véspera e dia de eleições

A comissão avisa que “entende-se por ‘propaganda eleitoral’ toda a atividade que vise direta ou indiretamente promover candidaturas, seja dos candidatos, dos partidos políticos, dos titulares dos seus órgãos ou seus agentes, das coligações, dos grupos de cidadãos proponentes ou de quaisquer outras pessoas, nomeadamente a publicação de textos ou imagens que exprimam ou reproduzam o conteúdo dessa atividade”.

“Lisboa estava em sentada em tanto dinheiro de impostos que nem sabia o que lhe fazer”, realça candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considera que é importante estancar o aumento de trabalhadores na Câmara Municipal de Lisboa e diminuir os “10 a 12 milhões em avenças e os 13 milhões em horas extraordinárias”.

Peritos apostam na vacinação, testagem, medidas sanitárias e gestão de risco

A testagem foi igualmente defendida pela especialista do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto. Neste aspeto, sobressaiu a defesa de um ajuste nas estratégias de testagem, através da “identificação de populações de maior risco e promoção dos testes gratuitos” em locais validados e incluindo grupos vacinados.
Comentários