“Portugal já perdeu 108 mil postos de trabalho e há empresas que ainda não receberam apoios”, alerta António Saraiva

António Saraiva, presidente da CIP, considera que “alguma morosidade” do Governo em lançar medidas de apoio à economia ajudou à destruição de mais de cem mil postos de trabalho desde o início do ano.

O patrão dos patrões, António Saraiva, teceu esta terça-feira duras críticas ao Governo pela perda de mais de cem mil postos de trabalho desde o início do ano.

O presidente da CIP — Confederação Empresarial de Portugal, disse que “até agora perdemos 108 mil postos de trabalho” devido a “alguma morosidade de medidas que o Governo lançou” e também por causa da “burocracia” de alguns mecanismos de apoio às empresas, nomeadamente no acesso às linhas de crédito Covid-19.

“Estamos em novembro e há empresas que ainda não receberam financiamento nem qualquer ajuda” do Estado, revelou António Saraiva, que participou no debate sobre o Orçamento do Estado para 2021, no âmbito da webconference “Orçamento do Estado 2021”, promovida pela consultora EY e o Jornal Económico, que se realizou esta tarde.

António Saraiva considerou ainda que 80% dos empresários inquiridos pela CIP considera que as medidas lançadas pelo Governo são insuficientes ou muito insuficientes, o que prejudica o investimento e a exportações, que “são os dois motores de qualquer economia” e que é “aí que as ajudas de Estado se têm revelado insuficientes.

O presidente da CIP teme ainda que, com a retoma económica, possam haver outros países que passem a ter poder concorrencial com Portugal, lembrando a desvalorização da lira turca pelo presidente Recep Tayyip Erdoğan, que poderá a passar a competir com Portugal em diversas áreas de atividade económica, não apenas na transformação de matérias primas, mas também no turismo.

“Não entendemos que seja o orçamento que o país precisa e muito menos aquele que a economia e as empresas necessitariam”, frisou o patrão dos patrões, vincando ainda que existe “um desfazamento” entre a mensagem política do Governo e a realidade da economia e das empresas.

Sobre a quantificação do apoio às empresas de dois mil milhões de euros que o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, que falara antes de António Saraiva, o presidente da CIP revelou-se surpreendido com o um número “desta magnitude” porque “não sentimos, no dia-a-dia, que este montante tenha correspondência da resolução dos problemas das empresas”.

“Percebo que a mensagem política tem de ser numa linguagem pela afirmativa e pegando em números que, em termos macro, estarão certos. Mas mais do que os anúncios, para as empresas importam as realidades e a eficácia das medidas”, adiantou António Saraiva.

O presidente dos patrões, tal como Pedro Braz Teixeira, que também participou neste debate, considerou que o Governo tinha pouca margem para fazer mais pela economia com o OE2021, e lançou farpas aos quatro anos de governo da ‘geringonça’, formado pelo Executivo socialista, ladeado pelos comunistas e os bloquistas.

“As opções políticas feitas desde há quatro anos não deixam que Portugal tenha hoje margem para responder à necessidade de responder à pandemia, razão pela qual estamos hoje com dificuldades para acudir à economia e à tipologia empresarial que nos integra, diferente de outros países que, com estratégias orçamentais diferentes e com crescimentos diferentes nos últimos anos têm uma capacidade diferente para responder às necessidades da economia e das empresas”, concluiu António Saraiva.

Ler mais

Relacionadas

OE2021 é “tão pouco devido às políticas dos últimos anos”, alerta diretor do Gabinete de Estudos do Fórum para a Competitividade

Pedro Braz Teixeira explica que o Orçamento do Estado para 2021 é expansionista porque a estagnação da economia, a diminuição do investimento público e a pouca preparação para uma recessão cíclica tiraram margem de manobra ao Governo para fazer mais.

OE2021 é “pouco arrojado” para as empresas, considera country tax leader da EY

Luís Marque entende que o OE2021 encontra-se mais concentrado “ao nível dos incentivos para algumas camadas mais desfavorecidas das famílias”.

Suspensão dos pagamentos por conta em 2021 é uma medida “altamente injusta”, diz SEAF

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais (SEAF) defende que, ao contrário deste ano, a suspensão dos pagamentos por conta é uma medida que não faz sentido em 2021, porque apenas beneficiaria aquelas empresas que tiveram lucros em 2020 que foi um ano de crise. Avaliação de Mendonça Mendes surge no dia em que e votada a proposta do PSD que prevê esta medida com um impacto, segundo a UATO, de 1.500 milhões de euros.

Pandemia “acarreta” consequências económicas e sociais que “ainda são incalculáveis”, alerta Mendonça Mendes

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais defende que a circunstância em que é apresentado o Orçamento do Estado para 2021 “é porventura a mais difícil das nossas vidas”. E alerta que a pandemia acarreta consequências económicas e sociais que “ainda são incalculáveis” na sua extensão devido à própria incerteza sobre a sua duração.
Recomendadas

Operadores oferecem mais de 200 milhões de euros no sétimo dia da fase principal do leilão do 5G

Face de licitação principal do leilão do 5G chega aos 200,4 milhões de euros. Propostas superam em 4,2 milhões de euros as ofertas das rondas de quinta-feira.

PremiumDeolinda Silva: “Indústria alimentar pode ser exportadora líquida num futuro próximo”

As exportações do sector agroalimentar português cresceram cerca de 20% entre 2015 e 2019. Nesse ano, as empresas associadas da PortugalFoods exportaram 830 milhões de euros, um crescimento de 40% no período em causa.

Bruxelas propõe alterar OE2021 para ajudar Estados-Membros na adaptação ao Brexit

Este ajuste garantirá a disponibilidade de recursos suficientes este ano para ajudar os 27 países do bloco europeu a fazer face aos efeitos imediatos do Brexit.
Comentários