Portugal na liderança das quedas de preços das comunicações eletrónicas na UE

O mercado português vê assim a sua competitividade reforçada, considera a associação representativa do sector, que sublinha a queda mais acentuada registada em Portugal do que na generalidade dos Estados-membros da UE.

O mercado português de comunicações eletrónicas apresentou das maiores descidas de preços na União Europeia (UE) nos últimos 12 meses, revelou esta quarta-feira a Associação dos Operadores de Comunicações Eletrónicas (APRITEL). A queda de 0,7% no índice harmonizados de preços no consumidor (IHPC) registada em Portugal compara com os 0,3% que o indicador caiu no mercado da UE.

Também os serviços em pacote, que reúnem a preferência da maioria dos consumidores nacionais, apresentaram a quinta maior descida de preços na UE no último ano, ao caírem 1,8%. Este tipo de contrato, acrescenta a nota da APRITEL, havia sido escolhido, no final de 2020, por 88 em cada 100 famílias.

Neste ranking, Portugal é superado por Grécia e Chipre, que tomam o primeiro lugar com 3,8% de redução nos preços médios destes serviços, seguidos de Espanha (-2,6%) e Áustria (-1,9%).

Já nos serviços de internet fixa, o mercado português verificou a segunda maior descida de preços, com -4,7% do que há um ano. Apenas a Grécia regista uma queda mais acentuada, com 6,3% de recuo neste indicador.

“Os dados mais recentes do Eurostat, referentes a junho de 2021, demonstram mais uma vez a forte dinâmica competitiva do mercado português de comunicações eletrónicas”, argumenta a APRITEL em comunicado, destacando que “a competitividade do sector nacional sai reforçada” pelos dados agora conhecidos.

Recomendadas

Levantamento de restrições e valorização da libra indicam recuperação do turismo britânico em Portugal

A fintech Ebury, especializada em pagamentos internacionais, diz que, tendo em conta a preferência dos portugueses por destinos de praia, os destinos mais vantajosos em termos cambiais são o Dubai (Emirados Árabes Unidos), as Caraíbas e Zanzibar, na Tanzânia.

Região do Alentejo espera aumentar produção de vinho até 10% este ano

Segundo as previsões da Universidade do Porto, a região vitivinícola do Alentejo estima aumentar a produção para 120 milhões de litros de vinho, contra os 113 milhões de litros produzidos no ano passado, o que já representou uma subida de 15% face a 2019.

Associações deixam comissão sobre estratégia dos cereais e culpam Governo

Em causa está a “evidente falta de compromisso” do Ministério da Agricultura em aplicar esta estratégia, sobretudo, após ter remetido às confederações um documento relativo às decisões sobre os pagamentos diretos 2022 da Política Agrícola Comum (PAC).
Comentários