Portugal na média da União Europeia só em 2149, diz o Fórum para a Competitividade

O Fórum avisa ainda que em 2018, o saldo das balanças corrente e de capital foi de 903 milhões de euros (0,5% do PIB), pouco mais de um terço do excedente de 2.699 milhões de 2017. E que “o abrandamento das exportações, sobretudo de serviços de turismo, poderá colocar em causa a preservação de saldos externos positivos já em 2019”.

“Se quisermos ignorar o comportamento da produtividade e olharmos só para a evolução do PIB, uma convergência de duas décimas por ano (como em 2018) significa que demoraríamos 130 anos para atingir a média da União Europeia”, diz o Fórum para a Competitividade, na sua nota de conjuntura de fevereiro. Ou seja, Portugal na média da União Europeia só em 2149.

O Fórum avisa ainda que em 2018, o saldo das balanças corrente e de capital foi de 903 milhões de euros (0,5% do PIB), pouco mais de um terço do excedente de 2.699 milhões de 2017. E que “o abrandamento das exportações, sobretudo de serviços de turismo, poderá colocar em causa a preservação de saldos externos positivos já em 2019”.

Em 2019 e 2020, até a Grécia crescerá mais do que Portugal, refere o Fórum liderado por Pedro Ferraz da Costa.

O crescimento do PIB do quarto trimestre de Portugal (1,7%) foi um pouco pior do que o esperado, pelo lado das exportações, muito afectadas por efeitos pontuais nos portos. “Para o conjunto do ano, houve um crescimento de 2,1%, uma clara desaceleração aos 2,8% de 2017, e um desvio apreciável face à estimativa do governo (2,3%)”, disse.

“É certo que o ambiente externo é de desaceleração, mas o mau comportamento das exportações resulta sobretudo da disrupção nos portos, que não se deverá repetir nos trimestres seguintes. Já a desaceleração externa pode acentuar-se”, lê-se na nota de conjuntura de fevereiro.

“O emprego, em termos de contas nacionais, cresceu 2,3% em 2018, mais do que a subida de 2,1% do PIB. Ou seja, a produtividade caiu 0,2%”, lê-se na nota.

Em relação ao quarto trimestre, houve a mesma perda de produtividade, com o emprego a subir 1,9% face a uma subida de 1,7% do PIB, alerta o Fórum.

“Com o emprego a subir 2,3%, se a produtividade também estivesse a subir, como acontece com os países no nosso nível de desenvolvimento, o PIB podia estar a crescer 4%”, acrescenta o Fórum.

De acordo com a Comissão Europeia (Semestre Europeu de 2019), “Portugal tem uma das mais baixas taxas de investimento da UE”, realça o Fórum.

Em simultâneo, Portugal enfrenta múltiplos condicionalismos ao investimento. “Ou seja, parece que estamos a criar os nossos próprios problemas”, refere o Fórum para a Competitividade.

Ler mais

Recomendadas

Governo anuncia linha de crédito de 50 milhões para microempresas de gestão de eventos

Os 50 milhões de euros foram anunciados pelo ministro da Economia no Parlamento, num exemplo de uma das áreas que, não sendo óbvia, enfrenta enormes dificuldades por orbitar em torno de um setor muito condicionado pela pandemia, o turismo. 20% dos 50 milhões de euros desta linha poderá passar a fundo perdido caso empresas mantenham o emprego no próximo ano.

Fórum para a Competitividade prevê queda do PIB até 12% este ano

Para o próximo ano, a entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa antevê uma recuperação do PIB entre 5% e 6%.

UTAO prevê que medidas previstas pelo Governo tenham impacto menor no défice 

“O contributo direto das novas medidas permanentes para o saldo orçamental de 2021 ascende a –499,3 ME. No relatório do MF [Ministério das Finanças] este contributo mede –1.947,0 milhões de euros”, pode ler-se no documento divulgado esta quinta-feira.
Comentários