Portugal pede ajuda a Bruxelas no combate aos incêndios

Recorde-se que relativamente a 2017, um dos piores anos de sempre de fogos florestais em Portugal, o comissário Christos Stylianides reconheceu recentemente que a ajuda da Comissão Europeia a Portugal nesta matéria foi bastante insuficiente.

Alessandro Bianchi/Reuters

O Governo português pediu ajuda à União Europeia no combate aos incêndios que estão a assolar, desde ontem, dia 20 de julho, diversos concelhos dos distritos de Castelo Branco e de Santarém.

Segundo a RTP, o pedido de ajuda prende-se com a disponibilização de mapas mais detalhados e atualizados das regiões onde estão a deflagrar os incêndios para melhor coordenar as operações de ataque aos incêndios dos diversos locais dos fogos.

Bruxelas, através de Christos Stylianides, Comissário Europeu para a Ajuda Humanitária e a Gestão de Crises, já reagiu afirmativamente, sublinhando que o pedido de ajuda de Portugal poderá abranger outras áreas em que o nosso país considera que a União Europeia poderá proporcionar apoio no combate a estes incêndios.

Recorde-se que relativamente a 2017, um dos piores anos de sempre de fogos florestais em Portugal, o comissário Christos Stylianides reconheceu recentemente que a ajuda da Comissão Europeia a Portugal nesta matéria foi bastante insuficiente.

Os fogos iniciados há cerca de 48 horas nos concelhos da Sertã e de Vila de Rei, no distrito de Castelo Branco, e que alastraram depois ao concelho de Mação, no distrito de Santarém, já devem ter consumido mais de 10 mil hectares de floresta, além de terem reduzido a cinzas habitações (seis, segundo as últimas contagens) e alfaias agrícolas, e de terem provocado ferimentos em 20 pessoas, uma delas em estado grave.

Recomendadas

Pingo Doce e LPN recolhem 2.608 toneladas de resíduos das praias

A recolha destes resíduos decorreu em ações de sensibilização e limpeza em praias e albufeiras que envolveram 1.350 voluntários no final da última época balnear.

Porto de Lisboa já fornece navios com combustível mais amigo do ambiente

As novas regras da IMO – International Maritime Organization exigem que o novo combustível marítimo tenham um máximo de apenas 0,5% de enxofre.
amazonia_incendio

Desflorestação na Amazónia aumentou 30% no espaço de um ano

Em termos práticos e segundo, e segundo os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, trata-se de mais de 2 mil quilómetros quadrados de área desaparecida num espaço de um ano.
Comentários