Portugal pesca tubarão e raia em excesso, alerta organização ambientalista

“Em Portugal, os tubarões e raias estão a ser pescados de forma insustentável. Um quarto de todos os desembarques (em peso) da frota portuguesa nos últimos 30 anos, corresponde a espécies que atualmente estão ameaçadas, três quartos das espécies pescadas têm as suas populações em declínio e sete espécies historicamente pescadas estão agora criticamente em perigo, a um passo da extinção”, salienta a associação no comunicado.

Portugal é o terceiro país europeu e o 12.º no mundo que mais captura tubarão e raia, cerca de 1,5 milhões de exemplares por ano, sendo que metade das espécies estão ameaçadas, alerta a associação ambientalista ANP/WWF.

A informação hoje divulgada pela Associação Natureza Portugal (ANP), em Portugal associada da internacional “World Wide Fund for Nature” (WWF), surge no relatório da primeira avaliação sobre tubarões e raias da organização, com o apoio da Fundação Oceano Azul.

A propósito dos resultados a ANP/WWF apela à criação de um plano de ação nacional para a gestão e conservação de tubarões e raias, que coloque Portugal na liderança europeia da proteção destas espécies, diz em comunicado.

A organização de defesa do ambiente diz que o relatório “Tubarões e Raias: Guardiões do oceano em crise”, é o primeiro estudo abrangente sobre o estado das populações de tubarões e raias em Portugal, sobre a sua pesca, comércio e políticas.

Segundo a análise, “a sobrepesca e uma proteção inadequada estão a ameaçar as 117 espécies de tubarões, raias e quimeras (peixes cartilagíneos) existentes no mar português, apesar destas espécies-chave serem essenciais à saúde e bem-estar do oceano”.

Além de ser dos países que mais captura as espécies Portugal está também nos primeiros lugares das importações e exportações de carne de tubarão e raia (8.º e 6.º lugar mundial, respetivamente), pelo que a ANP/WWF pede aos consumidores para terem um “papel ativo” e evitem comer raia ou tubarão até que a pesca seja comprovadamente sustentável.

“Em Portugal, os tubarões e raias estão a ser pescados de forma insustentável. Um quarto de todos os desembarques (em peso) da frota portuguesa nos últimos 30 anos, corresponde a espécies que atualmente estão ameaçadas, três quartos das espécies pescadas têm as suas populações em declínio e sete espécies historicamente pescadas estão agora criticamente em perigo, a um passo da extinção”, salienta a associação no comunicado.

Ângela Morgado, diretora executiva da ANP/WWF, afirma, citada no documento, que a forma de pescar em Portugal está a ameaçar os tubarões e as raias, e defende que para evitar um oceano sem tubarões e raias “o Governo português deve tomar a liderança europeia nesta questão, avançando para uma pesca de baixo impacto e seletiva, e tornando-se o primeiro Estado-membro a criar um Plano de Ação Nacional para estas espécies”.

E até que haja esse plano, acrescenta, a redução do consumo é a única proteção possível, motivo que levou a organização a propor um compromisso aos cidadãos de dizerem “não” ao consumo de tubarão e de raia.

A Fundação Oceano Azul, também citada no comunicado, diz: o relatório torna visível “a forma insustentável como gerimos o oceano e colocamos em risco, no mar português, espécies tão importantes para o funcionamento dos sistemas marinhos como os tubarões e as raias”.

A ANP/WWF defende a adoção de medidas que minimizem as principais ameaças, e recomenda que se melhore a qualidade dos dados científicos da pesca, que se proíba a captura, comércio e o consumo de espécies ameaçadas, que se crie regulamentação mais restrita das espécies comercializadas a nível internacional, e se defina zonas santuário que protejam habitats essenciais e sejam refúgios para as espécies.

Aos consumidores, além de se absterem de comer as espécies em causa, a ANP/WWF pede atenção à composição de alguns produtos que existem no mercado, nomeadamente cremes hidratantes ou complexos vitamínicos que contêm esqualeno e óleo de fígado de tubarão. E que assumam o compromisso de dizer #TubarãonoPratoNão ou #TiraAraiaDestaAlhada, no ‘site’ da organização.

Ana Henriques, principal relatora do documento agora divulgado, salienta que as duas espécies “são verdadeiros guardiões do oceano” e preservá-los é urgente e muito necessário.

Ler mais
Recomendadas

Pesca da sardinha vai reabrir em Portugal a partir de 17 de maio

A autorização através de um despacho governamental levanta uma proibição que tem já quase sete meses de duração.

GNR apreende mais de 205 toneladas de pescado congelado em Aveiro

Segundo esta força de segurança, no decurso de uma ação de fiscalização de pescado, foi detetada “uma descarga de pescado não autorizada, uma vez que todo o pescado deveria estar selado nos porões do navio”, daí resultando a apreensão de “cerca de uma tonelada de pescado fora dos porões”.

Três empresas criam parceria para levar peixe fresco à mesa dos portugueses

A DPD, a MercaChefe e a AlémMar uniram os seus esforços para distribuir peixe do mar em casa dos clientes de Portugal Continental em menos de 24 horas após a sua captura, sem a intervenção de qualquer intermediário.
Comentários