Portugal pode receber até 35 pessoas resgatadas do navio Ocean Viking

Bruxelas já tinha agradecido a disponibilidade dos Estados-membros que aceitaram acolher estes migrantes.

Portugal está disponível para acolher até 35 pessoas das 356 resgatadas pelo navio humanitário «Ocean Viking», anunciou esta quinta-feira à tarde o Ministério da Administração Interna e o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O barco humanitário, das organizações Médicos Sem Fronteiras e SOS Mediterrâneo, resgatou centenas de migrantes à costa da Líbia e está há 10 dias à espera da autorização para atracar num porto europeu seguro. Depois de o país e de outros quatro Estados-membros (França, Alemanha, Luxemburgo e Roménia) terem aceitado receber algumas destas pessoas a Comissão Europeia fez um agradecimento público.

Os gabinetes de Eduardo Cabrita e de Augusto Santos Silva destacam o “gesto de solidariedade humanitária e de desejo comum de fornecer soluções europeias para a questão da migração e das tragédias humanas que se verificam no Mediterrâneo”, em comunicado sobre o navio que está no canal da Sicília, entre Malta e Lampedusa.

Como exemplos de outros resgates nos quais o país participou, os dois ministérios apontam o Open Arms, o Lifeline, o Aquarius I, o Diciotti, o Aquarius II, o Sea Watch III ou o Alan Kurdi. “Não obstante esta disponibilidade solidária sempre manifestada, o Governo português continua a defender uma solução europeia integrada, estável e permanente para responder ao desafio migratório”, pode ler-se na mesma nota.

Recomendadas

Carlos Zorrinho: “Uns ‘Estados Unidos da Europa’ era uma ideia mobilizadora; hoje defendo outro processo”

O eurodeputado eleito pelo PS considera que a União Europeia (UE) tem de “inspirar os povos”, com o seu modelo democrático e social, “baseado na cooperação e no respeito pelos cidadãos”, mas alerta que é “necessário haver menos egoísmos pessoais”. Em entrevista ao Jornal Económico, Carlos Zorrinho fala ainda de um novo modelo de cooperação entre os Estados-membros da UE e sobre o combate que deve ser feito ao populismo e nacionalismo. Sobre as primárias no PS para eleger um novo secretário-geral, espera “que se cheguem muitos à frente” e garante: “nunca vou deixar de ser político”.

Vinte e seis presidentes de câmara do PS contra subida do IVA nos bilhetes das touradas

Municípios com atividades taurinas apelam ao Ministério da Cultura para que reverta subida da taxa na discussão na especialidade do Orçamento do Estado para 2020. E exigem “direito à cultura em igualdade de circunstâncias, independentemente dos gostos pessoais de cada um”.

Paulo Pedroso anuncia no Facebook que deixa o Partido Socialista

“Eu hoje sou um socialista democrático, preocupado com o futuro do sindicalismo e desvinculado da militância partidária”, escreveu o socialista na sua página da rede social, segundo a Rádio Renascença.
Comentários