Portugal pode receber até 35 pessoas resgatadas do navio Ocean Viking

Bruxelas já tinha agradecido a disponibilidade dos Estados-membros que aceitaram acolher estes migrantes.

Portugal está disponível para acolher até 35 pessoas das 356 resgatadas pelo navio humanitário «Ocean Viking», anunciou esta quinta-feira à tarde o Ministério da Administração Interna e o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O barco humanitário, das organizações Médicos Sem Fronteiras e SOS Mediterrâneo, resgatou centenas de migrantes à costa da Líbia e está há 10 dias à espera da autorização para atracar num porto europeu seguro. Depois de o país e de outros quatro Estados-membros (França, Alemanha, Luxemburgo e Roménia) terem aceitado receber algumas destas pessoas a Comissão Europeia fez um agradecimento público.

Os gabinetes de Eduardo Cabrita e de Augusto Santos Silva destacam o “gesto de solidariedade humanitária e de desejo comum de fornecer soluções europeias para a questão da migração e das tragédias humanas que se verificam no Mediterrâneo”, em comunicado sobre o navio que está no canal da Sicília, entre Malta e Lampedusa.

Como exemplos de outros resgates nos quais o país participou, os dois ministérios apontam o Open Arms, o Lifeline, o Aquarius I, o Diciotti, o Aquarius II, o Sea Watch III ou o Alan Kurdi. “Não obstante esta disponibilidade solidária sempre manifestada, o Governo português continua a defender uma solução europeia integrada, estável e permanente para responder ao desafio migratório”, pode ler-se na mesma nota.

Recomendadas
Debate António Costa Rui Rio

Costa agita “milhares de milhões de euros” se não houver aeroporto no Montijo e Rio alerta para emigração igual à soma do Porto com Viana do Castelo

Frente a frente entre o primeiro-ministro e o líder social-democrata envolveu riscos de indemnizações à ANA, emigração em série, impostos, saúde, justiça e educação.

Do whisky aos fatos de homem. Marcas de luxo europeias podem render mil milhões de dólares a Trump

A empresa LVMH, mais conhecida pela Louis Vuitton, está particularmente vulnerável aos impostos norte-americanos propostos por Trump, uma vez que detém dois produtos de luxo: bebidas e artigos de roupa.

Portugal condena de forma “veemente” o ataque às instalações petrolíferas da Arábia Saudita

Esta segunda-feira, os mercados acordaram com uma subida de 20% do preço do petróleo depois de se saber que as instalações da Aramco, a petrolífera estatal da Arábia Saudita, foi severamente afetada por um ataque de drones levado a cabo por um grupo de Houthis, do Iémen, e que são pró-Irão.
Comentários