Portugal poderá chegar aos 14 mil casos diários em duas semanas, alerta epidemiologista

O especialista Manuel do Carmo Gomes informou que face ao aumento exponencial de novos casos, Portugal poderá vir a registar, nas próximas duas semanas, cerca de 14 mil casos, alertando que para uma redução a metade, “levaremos aproximadamente três semanas”.

Manuel de Almeida/Lusa

Quanto às projeções da pandemia para o futuro, Manuel do Carmo Gomes, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, aponta que, se nada for feito “de 11 em 11 dias iremos duplicar o número de casos”. A análise foi revelada, esta terça-feira, durante a reunião com os especialistas do Infarmed e membros do Governo sobre a situação epidemiológica em Portugal.

Olhando para os primeiros dias do ano, a 2 de janeiro assistiu-se a um aumento de 8,4% no número de casos e a 8 de janeiro essa percentagem reduziu-se ligeiramente para 6,5%. Com base nas estimativas, o responsável aponta que, no dia 19 de janeiro, Portugal poderá atingir os 18 mil casos por dia e, a 27 de janeiro, os 37 mil casos, caso não sejam agravadas as medidas restritivas.

Porém, caso haja, partir de agora, uma “desaceleração do número de novos casos semelhante à primeira onda”, em março, este aumento exponencial poderá ser travado. Ainda assim, deveremos atingir os 14 mil casos por dia, algo “que ocorreria daqui a aproximadamente duas semanas” alerta, apontando que “já estamos num nível muito alto”. Quanto às mortes, estas poderão chegar às 140 e 150 por dia.

“Para reduzir esses 14 mil casos a metade, levaremos aproximadamente três semanas, assumindo uma descida semelhante à primeira vaga”, indicou. “Temos pela frente as semanas mais difíceis da pandemia” alertou o especialista.

No Natal houve “5 mil casos que escaparam ao processo normal de testagem”

Aproximadamente, cinco mil casos escaparam ao processo normal de testagem durante o período do Natal. Segundo o epidemiologista da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, na sua apresentação durante a reunião com os especialistas do Infarmed, “nas vésperas de Natal muitas pessoas testaram-se porque se iam juntar”, mas não foi com “critério epidemiológico”, ou seja, foram testadas por iniciativa própria e não por suspeita de infeção.

Porém, durante a semana do Natal, assistiu-se a uma “dessincronização, que não é habitual, entre a tendência na curva de testes e o aumento no número de casos”.

O especialista aponta que no período em causa, tal como se esperava, “há um aumento de pessoas com sintomas” mas “há uma diminuição do número de testes”. Ou seja, segundo os dados recolhidos, registou-se um número de pessoas com sintomas, “ou que estavam pelo menos positivas”, mas que “escapam ao processo de testagem” que faz o rastreio do número de casos que vão surgindo.

Segundo o especialista, estes casos são pessoas com sintomas ou pré-sintomaticas ou até mesmo assintomáticas “mas que nunca tiveram sintomas”. Com base nos testes que habitualmente se fizeram nas semanas antes de Natal e o que se fez durante a semana festiva, estimou-se que cinco mil casos “escaparam ao processo normal de testagem”.

“Estas pessoas não foram testadas ou não deram importância à sintomatologia ou tinham sintomas e não foram testadas”, alerta Manuel do Carmo Gomes.

O especialista nota que “muitas delas não estavam sequer no seu agregado familiar normal e depois deslocam-se” para junto das famílias, como por exemplo estudantes deslocados.

“Pensamos que é uma das explicações para aquela subida muito rápida e anormal de novos casos”, concluiu.

Ler mais

Relacionadas

Epidemiologista defende que índice de transmissão apresentará redução mais acentuada com fecho das escolas

“É claro que, quanto maior for o confinamento, e mais fechadas estiverem as escolas e a comunidade, maior é a redução da transmissão”, disse Baltazar Nunes, do Instituto Dr. Ricardo Jorge, na reunião do Infarmed esta terça-feira.

Por dia, mais de 100 pessoas recusam fazer o teste à chegada ao aeroporto de Lisboa

Quanto aos casos importados no aeroporto de Lisboa o especialista da ARSLVT refere que, nos primeiros 11 dias de janeiro, tem-se verificado um “número de casos bastante semelhante” ao que se registou no mês de novembro, altura em que se contabilizou 58 casos importados.

Especialista aponta Viana do Castelo como “distrito mais crítico”

Os especialistas ouvidos esta manhã na reunião do Infarmed, alertam que a região Norte é a que regista um crescimento mais acelerado na propagação do vírus. Viana do Castelo está em situação de transmissão comunitária com maior incidência sobre a faixa etária dos 20 aos 29 anos.
Sessão do Infarmed COvid-19

DGS: Situação atual apresenta “maior homogeneidade e agravamento da incidência”

De acordo com o diretor de Informação e Análise da DGS, Portugal apresentava uma “tendência decrescente” na última reunião do Infarmed em dezembro, tendo continuado decrescente até à altura perto do Natal “fruto das medidas implementadas” na altura.
Recomendadas

Portugal entrega quinta-feira de manhã versão final do PRR à Comissão Europeia

“O trabalho realizado ao longo dos últimos meses produziu os seus frutos”, disse António Costa.

IRS: Mais de 644 mil declarações liquidadas e 331 milhões em reembolsos

Entre as declarações de IRS já tratadas incluem-se ainda 190.273 nulas, situação que se verifica quando não há lugar nem a reembolso nem ao pagamento de imposto.

Registo no Balcão Único do IVA para vendas à distância até 30 de junho

Este registo no OSS, que deve ser feito por via eletrónica através do Portal das Finanças, é uma das vertentes das novas regras do IVA para o comércio eletrónico que entram em vigor em 01 de julho de 2021 e com as quais se pretende simplificar os procedimentos das vendas à distância, reduzir problemas de concorrência e combater a fraude e evasão.
Comentários