Portugal quer produzir 25 mil toneladas de peixe em aquacultura em 2030

Ministro Ricardo Serrão Santos sublinhou que o setor conta com financiamento comunitário, através do programa Mar 2020 e do Fundo Azul, e destacou a sua relevância no futuro da alimentação da população mundial.

A produção de peixe em aquacultura em Portugal deverá atingir 25 mil toneladas por ano a partir de 2030 e o contributo do setor do pescado no total das exportações será de 7%, indicou esta quinta-feira o ministro do Mar.

“Neste momento, produzimos 14.000 toneladas de pescado em aquacultura. O nosso objetivo é chegar às 25.000 toneladas em 2030, em termos perfeitamente realistas”, disse Ricardo Serrão Santos, realçando que a projeção é feita com base “no crescimento que está a acontecer”.

O ministro do Mar presidiu hoje à sessão de encerramento da conferência anual da Sociedade Europeia de Aquicultura, considerado o maior encontro científico e técnico do sector, que decorre no Funchal e conta com 1.200 participantes.

De acordo com o governante, entre 2013 e 2018, a produção de peixe e moluscos em aquacultura em Portugal cresceu 41% e as vendas aumentaram 124%, sendo que em 2019 excedeu as 14.000 toneladas (mais 2,5% do que em 2018) e o volume de negócios foi de 118,5 milhões de euros (mais 24% do que no ano anterior).

Ricardo Serrão Santos sublinhou que o setor conta com financiamento comunitário, através do programa Mar 2020 e do Fundo Azul, e destacou a sua relevância no futuro da alimentação da população mundial.

“A investigação que temos é de ponta, a tecnologia está matura e continua a desenvolver-se”, disse, vincando a necessidade de incentivar a ligação entre a ciência e indústria, a academia e os empreendedores, para garantir a continuidade da produção de “alimentos saudáveis com base nos oceanos”.

O ministro do Mar considera que a aquacultura é um processo em expansão e irreversível, embora reconheça que, no século passado, o setor teve um impacto negativo no ambiente marinho, devido à utilização de antibióticos e nutrientes que contaminaram as águas.

“Mas agora vamos ter a aquacultura como uma via de desenvolvimento e de grande futuro na economia do mar e das populações”, afirmou, destacando também o potencial da Madeira, onde produção já atingiu as 1.200 toneladas por ano, com um volume de negócios de 6 milhões de euros.

A conferência da Sociedade Europeia de Aquicultura, cujos trabalhos ainda decorrem, contou com a apresentação de 855 comunicações científicas, entre segunda-feira e hoje, sendo que a iniciativa teve apoio do Governo da República, do Governo Regional da Madeira, da Associação de Promoção da Madeira e da ARDITI — Agência Regional para o Desenvolvimento da Investigação, Tecnologia e Inovação.

Associada à conferência, realizou-se uma feira industrial em que participaram cerca de 100 empresas e outras instituições ligadas ao setor.

Recomendadas

Governo altera medida do Programa de Desenvolvimento Rural para permitir submissão de novas operações

Esta alteração tem em vista a submissão de novas operações, introduzindo custos diretos e indiretos na modalidade de custos simplificados “com base numa taxa fixa de 40% dos custos diretos de pessoal elegível”.

Parlamento Europeu dá ‘luz verde’ à reforma da Política Agrícola Comum

A PAC prevê pagamentos redistributivos a favor das pequenas e médias explorações e auxílios aos jovens agricultores. Ou seja, que pelo menos 10% dos pagamentos diretos seja usado para apoiar as pequenas e médias explorações agrícolas e que pelo menos 3% do orçamento da PAC seja destinado aos mais novos deste sector.

Parlamento Europeu terá sessão plenária para votação da nova Política Agrícola Comum

Os principais elementos da reforma da PAC visam torná-la mais ecológica, mais justa e mais flexível e incluindo, pela primeira vez, uma condicionalidade social, dado que prevê sanções aos agricultores e a outros beneficiários que recebam pagamentos diretos, caso estes não assegurem condições de trabalho adequadas.
Comentários